Nacionalistas flamengos relançam debate sobre independência da Flandres

| Mundo

O chefe dos nacionalistas flamengos relançou hoje o debate sobre a independência da Flandres, ao declarar que irá insistir na "emancipação" da região neerlandesa da Bélgica, o que suscitou receios de mais uma crise governamental.

Para entrar no governo do liberal francófono Charles Michel em outubro de 2014, a Nova Aliança Flamenga (N-VA), de Bart De Wever, tinha aceitado congelar as suas reivindicações institucionais até 2019.

Este partido nacionalista, que tinha conseguido 32,5% dos votos na Flandres, nas eleições legislativas de maio de 2014, recolhia em setembro o apoio de apenas 27,5%, segundo uma sondagem do diário La Libre Belgique. Ao mesmo tempo, os independentistas de extrema-direita do Vlaams Belang, subiam dos 5,8% de 2014 para 9,7%.

"Várias figuras eminentes do movimento flamengo expressaram-me as suas inquietações quanto ao perfil ideológico do partido", avançou Bart De Wever, hoje, em comunicado.

"Nós respeitamos a nossa palavra (...) de observar um `stop` temporário em matéria comunitária. Mas isso não significa que o movimento flamengo permaneça imóvel", acrescentou.

Bart De Wever, de 45 anos presidente da Câmara de Antuérpia, no norte do país, entregou a dois parlamentares do N-VA, Hendrik Vuyve e Veerle Wouters, a tarefa de "reunir as forças dentro e fora do partido para discutir as próximas etapas da emancipação da Flandres", onde vivem 60% dos 11 milhões de belgas.

"Estamos num governo que decidiu `colocar no frigorífico` o (assunto) comunitário durante cinco anos e isso não está em causa", relativizou um dirigente do partido do primeiro-ministro, citado pela agência noticiosa Belga. "Ninguém ignora que o N-VA é um partido independentista e que vai regressar em 2019 com essas reivindicações", acrescentou esta fonte.

"Charles Michel foi enganado" pelo N-VA, reagiu o seu antecessor Elio Di Rupo, o socialista francófono que está na oposição.

"Bart De Wever deseja mergulhar o nosso país numa nova crise", alertaram por seu turno os centristas francófonos, aludindo aos 541 dias em que a Bélgica esteve sem governo depois das eleições de 2010.

Nas últimas semanas, personalidades próximas do N-VA fizeram declarações que aumentaram a tensão com os francófonos. Uma ministra regional próxima de De Wever, Liesbeth Homans, chegou mesmo a declarar em 06 de janeiro que "espera" que a Bélgica já não exista em 2025.

 

Tópicos:

Aliança Flamenga N VA Bart, Bart Wever, Câa, N VA Hendrik Vuyve,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.