Novos naufrágios ao largo da Grécia fazem 22 mortos

| Mundo

|

Pelo menos 22 migrantes, incluindo 12 crianças, morreram durante a noite de quinta-feira em dois naufrágios no Mar Egeu. A frequência e os desfechos trágicos destes incidentes têm aumentado nos últimos dias devido ao agravamento do estado do tempo.

A polícia portuária grega confirma a morte de pelo menos 22 migrantes em dois naufrágios ao largo das ilhas de Kalymos e Rhodes. As autoridades conseguiram resgatar 144 migrantes que viajavam nas duas embarcações vindas da Turquia, mas não conseguiram evitar o afogamento de várias pessoas.
 
O naufrágio de Kalymos foi o mais trágico, tendo registado 19 vítimas mortais, entre elas seis mulheres, oito crianças e dois bebés. Em Rhodes, uma mulher, uma criança e um bebé não resistiram após o afogamento. 

Estes não foram os únicos incidentes registados na noite de quinta para sexta-feira. No Mar Mediterrâneo, pelo menos quatro pessoas morreram depois do naufrágio de uma embarcação que transportava mais de 50 migrantes e que partiu de Marrocos em direção a Espanha.
Corredores de morte
Com o agravamento do estado do tempo e os ventos fortes em alto mar, sobretudo no Egeu, a travessia de milhares de migrantes desde a Turquia até à Grécia tem provocado cada vez mais vítimas por afogamento.

Reportagem de João Botas e João Caldeirinha - Telejornal RTP (29-10-2015)

A faixa de passagem tornou-se num corredor de morte, um cenário que cada vez mais se repete. Na quarta-feira morreram pelo menos 11 pessoas, incluindo sete crianças, após um naufrágio ao largo da ilha de Lesbos. Até ao final do dia de ontem, 40 pessoas continuavam desaparecidas.

Tópicos:

Egeu, Mediterrâneo, Naufrágio, Refugiados, Grécia,

A informação mais vista

+ Em Foco

O antigo procurador-geral da República do Brasil revelou à RTP que já recebeu várias ameaças de morte e defendeu uma reforma profunda do sistema político brasileiro.

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

    O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.