ONG e detidos venezuelanos denunciam valas comuns em prisões

| Mundo

|

O Observatório Venezuelano de Prisões (OVP), uma organização não-governamental, assegurou hoje que existem valas comuns em centros de detenção do país, após as denúncias de presos que supostamente testemunharam esses factos e os revelaram a `medias` locais.

"Esta informação confirma o que dizemos desde há muitos anos, não é novo o que acontece na Penitenciária Geral da Venezuela (PGV, no centro do país", disse o diretor da OVP, Humberto Prado, à Union Radio, ao ser questionado sobre as denúncias feitas a partir desta prisão.

O diário Últimas Noticias publica hoje uma denúncia de um grupo de prisioneiros da PGV, segundo a qual vários reclusos foram assassinados e sepultados em quatro valas comuns no interior do recinto.

Prado reiterou que a situação não é nova e recordou que o OVP e os familiares do condenado Francisco Guerrero denunciaram em 2009 o seu desaparecimento da PGV, um caso que foi apresentado ao Comité contra a tortura da ONU.

"As Nações Unidas responsabilizaram o Estado venezuelano por este desaparecimento (...). Esta decisão foi emitida em 2014 e apenas agora é que se noticia a existência de valas comuns apesar de se denunciarem há anos este tipo de desaparecimentos no interior da PGV", comentou o ativista.

O diretor da OVP referiu ainda que Francisco Guerrero, segundo os seus companheiros de prisão, é um exemplo destes "desaparecimentos forçados" na PGV e foi vítima dos designados "pranes", líderes que operam dentro da cadeia e que cobram a outros detidos a designada "causa", ou o "direito a viver" do prisioneiro.

"A `causa` é cobrada por grupos de presos que estão organizados, conhecidos como `pranes`, que operam sob a vigilância cúmplice do próprio Estado", assinalou Prado, que comentou que os companheiros de Guerrero o informaram que este recluso, hoje desaparecido, se negou a pagar aos cabecilhas do estabelecimento prisional.

O periódico Últimas Noticias cita reclusos da PGV onde se refere que os "pranes" "escavam o chão, metem os corpos, cobrem-nos com cal e tapam de novo com cimento".

O ministério para o Serviço Penitenciário não se pronunciou até ao momento sobre o caso.

Tópicos:

Caracas, OVP Humberto Prado,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

      Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.