Oposição egípcia rejeita apelo ao diálogo do Presidente Morsi

| Mundo

Os protestos no Egipto entraram no quinto dia. Na imagem um manifestante é agredido no Cairo
|

A Frente de Salvação Nacional do Egipto recusou o apelo ao diálogo, feito pelo Presidente Mohammed Morsi após declarar o estado de emergência em três das províncias do país. Morsi convocou a oposição para uma reunião no Palácio Presidencial esta segunda-feira ao fim da tarde mas a Frente Nacional já disse que não irá participar.

"Não iremos participar num diálogo sem sentido", afirmou em conferência de imprensa um dos principais líderes da Frente da Salvação Nacional, o prémio Nobel Mohammed el Baradei.

A Frente de Salvação Nacional agrupa vários partidos da esquerda egípcia e além de el Baradei, inclui na liderança o ex-chefe da Liga Arabe Amr Moussa e Hamdeen Sabahi, político de esquerda e terceiro classificado na corrida presidencial de 2012, ganha por Morsi.

O governo do islamita Morsi está a enfrentar uma contestação crescente e mostra-se incapaz de criar consensos e de implementar politicas que resolvam a crise económica e diminuam as desigualdades no país.

Pelo contrário, a aprovação em dezembro de uma Constituição de cariz marcadamente islamita veio aprofundar ainda mais as fraturas da sociedade egípcia.

Esta segunda-feira voltaram a registar-se confrontos, no Cairo, a capital, mas também noutras cidades. Um homem foi morto a tiro.

Milhares de pessoas contestam Morsi, aproveitando as manifestações que assinalaram os dois anos da queda do anterior Presidente, Hosni Mubarak.

O fim de semana ficou marcado por 50 mortos e centenas de feridos na violência.

Os protestos contra Morsi começaram quinta-feira e foram exacerbados no sábado pela condenação à morte de 21 pessoas, acusadas de provocar confrontos durante um jogo de futebol em fevereiro de 2012, dos quais resultaram 71 mortos.

Port Said, Suez e Ismailia foram as cidades onde os protestos foram mais significativos e foi nestas províncias que foi decretado o estado de emergência e o recolher obrigatório por um mês, mas o Cairo e o delta do Nilo registaram igualmente confrontos.

Tópicos:

Cairo, Egito, Frente de Salvação Nacional, Port Said, Egipto,

A informação mais vista

+ Em Foco

Um mês depois dos incêndios, ainda há raízes em combustão sob a terra no concelho de Pedrógão Grande. Reunimos aqui um conjunto de vídeos em 360 graus captados no local.

A 17 de junho, Portugal começou a assistir ao mais mortífero incêndio de sempre. A paisagem de Pedrógão Grande mantém-se em tons de sépia. Um cenário captado pelo fotojornalista Pedro A. Pina.

    Nos últimos dois anos a RTP ouviu três vozes com diferentes perspetivas do conflito israelo-palestiniano: Miko Peled, Shahd Whadi e Tamir Ginz.

    Natalidade, envelhecimento, turismo, agricultura, emigração, pobreza, saúde, desigualdades. A caminho das autárquicas a Antena 1 fixa o país em 20 retratos.