Parlamento sul-coreano vota a 9 de dezembro destituição da Presidente

| Mundo

A oposição na Coreia do Sul anunciou hoje que vai apresentar na próxima sexta-feira, 09 de dezembro, uma moção para o processo de destituição da Presidente, Park Geun-hye, implicada num escândalo de corrupção e tráfico de influências.

Os três partidos da oposição, que com os independentes somam 172 dos 300 lugares na Assembleia Nacional (parlamento), vão submeter à votação a iniciativa, indicou o Partido Democrático -- principal força do bloco -- num comunicado.

As forças da oposição têm agora a missão de convencer pelo menos 28 deputados do Saenuri -- partido de Park -- para que votem a favor da destituição, já que a aprovação da moção requer os votos a favor de pelo menos dois terços da câmara baixa.

Uma sondagem publicada esta semana revelou que mais de 75% dos sul-coreanos estão a favor da destituição da Presidente e centenas de milhar manifestaram-se nos últimos cinco fins de semana para pedirem a sua demissão.

A indignação, incluindo de membros do próprio partido da Presidente, tem por base a ideia de que Park foi manietada durante o seu mandato por uma amiga, Choi Soon-sil, acusada num escândalo de corrupção e tráfico de influências.

A Procuradoria da Coreia do Sul revelou que a Presidente teve um papel "considerável" no escândalo e acusou formalmente Choi Soon-sil e dois antigos assessores presidenciais, indicando que Park cooperou com a amiga e os outros dois ex-colaboradores, que são suspeitos de terem pressionado mais de 50 empresas do país a doar 65,7 milhões de dólares (62 milhões de euros) a duas fundações.

Park Geun-hye, que goza de imunidade, negou-se a ser questionada pelos procuradores, enquanto a Assembleia Nacional trabalha na criação de um comité independente para julgar o seu envolvimento neste caso.

Tópicos:

Park Geun, Procuradoria,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

      Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.