Piloto solicita "descida imediata" momentos antes do acidente

| Mundo

Os destroços do avião sinistrado
|

A Blu Radio da Colômbia obteve a gravação áudio entre a torre de controle do aeroporto José María Córdoba, na Colômbia, na noite fatídica de 28 de novembro e o piloto do avião momentos antes do acidente que vitimou 71 pessoas, entre as quais grande parte da equipa do clube brasileiro da Chapecoense.

As comunicações entre o avião que se despenhou na Colômbia e a torre de controle revelam que o piloto pediu várias vezes urgência para aterrar porque o aparelho estava a ficar sem combustível.



No áudio de cerca de 12 minutos, o piloto Miguel Quiroga pede prioridade para aterrar o aparelho devido a falhas elétricas e falta de combustível solicitando uma aterragem prioritária e de emergência.

Ouça aqui a conversa do piloto, disponibilizada pela Blu Radio, solicitando uma aterragem de emergência.




"Em aproximação, solicitamos prioridade para a aproximação, apresentamo-nos com um problema de combustível", dá conta Miguel Quiroga.

A torre de controle responde pouco tempo depois: "Entendo que solicite a prioridade para a sua aterragem igualmente por um problema de combustível, correcto?""Tenho uma emergência de combustível, senhora. Por isso peço-lhe por uma vez o trajeto final", pede o piloto.

"Solicito descida imediata", insiste imediatamente depois Miguel Quiroga.


Passados mais de quatro minutos desde a transmissão da última informação, o piloto volta a perguntar pelas instruções de aproximação à pista de aterragem.

No entanto, a controladora aérea avisa: "Atenção, tenho uma aeronave por debaixo da sua que está a tentar a aproximação e, além disso, estão a efectuar uma revisão da pista. Quanto tempo tem para permanecer na sua aproximação?"

A torre de controle avança para o desvio do outro avião que preparava a aterragem para abrir caminho à aeronave em emergência.

Nos minutos seguintes houve mais diálogo entre a controladora e o piloto até se chegar ao silêncio final.

A informação mais vista

+ Em Foco

Entrevista exclusiva de Rui Rio à editora de política da RTP Luísa Bastos.

Abrir uma torneira e vê-la jorrar água. É um ato tão comum que nunca imaginamos um dia em que tal quadro possa desaparecer. Algo que está prestes a tornar-se realidade na África do Sul.

    Foram sinalizados casos de mutilação genital numa escola da Baixa da Banheira. Uma associação trabalha com turmas. Ainda há rapazes que defendem a "submissão" como "saudável".

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.