PP volta a vencer eleições mas com resultado curto para assegurar governo

| Mundo

O líder do Partido Popular, Mariano Rajoy, reclamou "o direito de governar"
|

O Partido Popular foi a força política mais votada nas eleições espanholas, assegurando 137 deputados, com Mariano Rajoy a reivindicar o direito a formar governo e manter o lugar de primeiro-ministro.

Os conservadores do PP acabaram por reforçar em 14 deputados a posição face às eleições de dezembro, quando tiveram um resultado de 123 assentos, número já então curto face aos 176 necessários para suportar um executivo maioritário, o que originou a crise política em Espanha. "A partir de amanhã [esta segunda-feira] teremos de começar a falar com todos e assim o faremos", garantiu Mariano Rajoy.


Os socialistas do PSOE, que alternam no poder com o PP desde há mais de três décadas, asseguraram o segundo lugar, contrariando sondagens à boca das urnas que os remetiam para a terceira posição.

São 85 deputados que – não havendo acordo de governação à esquerda – mantêm para já o PSOE como principal força da oposição, uma descida de cinco lugares face aos 90 da eleição anterior. Estes números de dezembro já constituíam o pior resultado da história recente dos socialistas.

A coligação de esquerda Unidos Podemos, formada pelo Podemos e Esquerda Unida, herdeira do Partido Comunista, chegou aos 71 deputados. Uma repetição dos resultados de dezembro, quando o Podemos garantiu 69 e a Esquerda Unida dois.
Rajoy reclama direito de governar
O líder do Partido Popular, Mariano Rajoy, reclamou "o direito de governar" e prometeu estar "à altura das circunstâncias", afirmando que o objetivo principal é "ser útil a 100 por cento dos espanhóis".

"Ganhámos as eleições, reclamamos o direito de governar. Agora o que se trata é de ser 100 por cento útil a todos os espanhóis, os que votaram em nós e os que não votaram. Estamos à disposição de todos", declarou Mariano Rajoy, num discurso a partir de um palanque onde se lia em letras garrafais "Gracias" (obrigado).

O líder conservador foi recebido aos gritos de "Presidente, Presidente" (presidente do Governo) e começou o seu discurso com a expressão "Sim, é possível", mensagem repetida pelos milhares de apoiantes.


"Somos espanhóis, com muita honra e orgulho, e defendemos os interesses gerais dos espanhóis acima de qualquer outra consideração. E este partido merece respeito", disse, num discurso que foi frequentemente interrompido pela multidão, com cânticos como "E viva Espanha" ou "Campeões, campeões".

Espanha vive "uma situação difícil" e tem "à sua disposição um instrumento muito importante que nunca irá falhar, nem a Espanha nem aos espanhóis, votem em quem votarem, e que é o Partido Popular", afirmou Rajoy.
Sánchez responsabiliza Iglesias
O líder do Partido Socialista espanhol (PSOE), Pedro Sánchez, admitiu não estar satisfeito com o resultado das eleições, mas responsabilizou o líder do Podemos, Pablo Iglesias, pela vitória do PP.

"Espero que Iglesias reflita sobre estes resultados. Teve a possibilidade de por fim ao Governo de [Mariano] Rajoy, mas a intransigência e o interesse pessoal acima do interesse público permitiu melhorar os resultados do PP", disse Pedro Sánchez à comunicação social, na sede do PSOE em Madrid.
Pablo Iglesias admite insatisfação

O candidato da coligação Unidos Podemos admitiu que os resultados eleitorais não são satisfatórios e não cumprem as expetativas criadas.

Sob os aplausos dos membros da comissão executiva da coligação, Iglesias pediu uma reflexão sobre o aumento do voto no conservador PP.

O líder da Unidos Podemos reconheceu estar preocupado com o aumento do voto no PP e afirmou que as forças progressistas devem começar a dialogar a partir dos espaços que as unem.

c/ Lusa

Tópicos:

Albert Rivera, Ciudadanos, PP, PSOE, Pablo Iglésias, Pedro Sánchez, Podemos, Unidos Podemos, Mariano Rajoy,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.