Presidente do Senado, constituído réu, fala em investigação "recheada de falhas"

| Mundo

O presidente do Senado brasileiro, Renan Calheiros, hoje constituído arguido por desvio de dinheiro público, disse que comprovará a sua inocência e que "a investigação está recheada de falhas".

Os juízes do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiram hoje, por oito votos contra três, levar o presidente da câmara alta do Congresso ao banco dos réus por peculato, mas a maioria dos magistrados rejeitou outras duas acusações contra o senador, nomeadamente por falsidade ideológica e uso de documentos falsos.

Trata-se da primeira vez que Renan Calheiros, um político próximo do Presidente brasileiro, Michel Temer, se torna arguido numa ação penal do STF.

Segundo a acusação, "Renan teria desviado parte da verba de representação parlamentar, cuja finalidade é unicamente a de custear despesas no exercício do mandato, para pagar a pensão alimentícia de filha", lê-se numa nota do STF.

O relator do processo, o juiz Edson Fachin, que aceitou a acusação de peculato, entendeu que as acusações de falsidade ideológica e de uso de documentos falsos prescreveram no ano passado, oito anos depois de a alegada infração ter sido cometida.

O processo foi iniciado em 2007 com a acusação de Renan Calheiros ter recebido subornos da empreiteira Mendes Júnior, para apresentar emendas que beneficiariam a empresa.

Em troca, a empresa teria pago despesas de uma filha de Renan Calheiros, sendo que o político teria adulterado documentos para justificar os pagamentos.

A acusação levou Renan Calheiros a demitir-se do cargo de presidente do Senado, mas voltou a ser eleito para a função em 2013.

Em nota divulgada após a decisão do STF, a assessoria da presidência do Senado informou que Renan Calheiros "comprovará, como já comprovou, com documentos periciados, a sua inocência quanto a única denúncia aceite".

"O senador lembra que a legislação obriga o Ministério Público a comprovar, o que não fez em nove anos com todos os sigilos quebrados. A investigação está recheada de falhas", lê-se na nota, segundo a qual Renan Calheiros "permanece confiante na Justiça".

O político é alvo de outras onze investigações no STF, sendo a maior parte delas relacionadas com a Operação Lava Jato, que investiga um mega esquema de corrupção na petrolífera estatal Petrobras.

Tópicos:

Renan Calheiros, Senado,

A informação mais vista

+ Em Foco

Houve aldeias ceifadas e vidas destruídas. O medo viveu ao lado de histórias de heroísmo. Contamos as estórias que agora preenchem dezenas de aldeias esquecidas, muitas pintadas a cinza.

    O incêndio de Pedrógão Grande provocou a morte de 64 pessoas e deixou mais de 200 pessoas feridas. Revisitamos os últimos dias com fotografias e imagens aéreas captadas com recurso a um drone.

      É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

      Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.