Presidente do Senado, constituído réu, fala em investigação "recheada de falhas"

| Mundo

O presidente do Senado brasileiro, Renan Calheiros, hoje constituído arguido por desvio de dinheiro público, disse que comprovará a sua inocência e que "a investigação está recheada de falhas".

Os juízes do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiram hoje, por oito votos contra três, levar o presidente da câmara alta do Congresso ao banco dos réus por peculato, mas a maioria dos magistrados rejeitou outras duas acusações contra o senador, nomeadamente por falsidade ideológica e uso de documentos falsos.

Trata-se da primeira vez que Renan Calheiros, um político próximo do Presidente brasileiro, Michel Temer, se torna arguido numa ação penal do STF.

Segundo a acusação, "Renan teria desviado parte da verba de representação parlamentar, cuja finalidade é unicamente a de custear despesas no exercício do mandato, para pagar a pensão alimentícia de filha", lê-se numa nota do STF.

O relator do processo, o juiz Edson Fachin, que aceitou a acusação de peculato, entendeu que as acusações de falsidade ideológica e de uso de documentos falsos prescreveram no ano passado, oito anos depois de a alegada infração ter sido cometida.

O processo foi iniciado em 2007 com a acusação de Renan Calheiros ter recebido subornos da empreiteira Mendes Júnior, para apresentar emendas que beneficiariam a empresa.

Em troca, a empresa teria pago despesas de uma filha de Renan Calheiros, sendo que o político teria adulterado documentos para justificar os pagamentos.

A acusação levou Renan Calheiros a demitir-se do cargo de presidente do Senado, mas voltou a ser eleito para a função em 2013.

Em nota divulgada após a decisão do STF, a assessoria da presidência do Senado informou que Renan Calheiros "comprovará, como já comprovou, com documentos periciados, a sua inocência quanto a única denúncia aceite".

"O senador lembra que a legislação obriga o Ministério Público a comprovar, o que não fez em nove anos com todos os sigilos quebrados. A investigação está recheada de falhas", lê-se na nota, segundo a qual Renan Calheiros "permanece confiante na Justiça".

O político é alvo de outras onze investigações no STF, sendo a maior parte delas relacionadas com a Operação Lava Jato, que investiga um mega esquema de corrupção na petrolífera estatal Petrobras.

Tópicos:

Renan Calheiros, Senado,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

      Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.