Primeiro-ministro de Itália apela ao voto no domingo e diz que "está tudo em jogo"

| Mundo

O primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, apelou hoje à participação popular no referendo de domingo sobre a reforma constitucional, que retira o poder legislativo ao Senado, e assegurou que nas próximas 48 horas "está tudo em jogo".

"Dentro de 48 horas vão abrir-se as urnas, cinquenta milhões de cidadãos vão votar num referendo fundamental não para o Governo, não para um partido, mas sim para o país", disse o chefe de Governo numa entrevista à rádio RTL.

Depois da entrevista, o líder do Executivo respondeu a perguntas formuladas nas redes sociais sobre o referendo do próximo domingo, assegurando, numa das respostas, que "tudo está em jogo nas próximas 48 horas, é preciso ir trabalhar, convencer as pessoas; nunca houve um número tao grande de indecisos".

No referendo do próximo domingo os italianos são chamados a responder a uma pergunta sobre se apoiam a revisão constitucional que, entre outras coisas, retira a função legislativa ao Senado, uma iniciativa que o Governo assegura que vai agilizar o funcionamento do processo legislativo.

Nas últimas sondagens publicadas sobre as intenções de voto, a rejeição da reforma constitucional avançada pelo Governo estava dez pontos atrás do `sim`, 55% contra 45% das intenções de voto, mas cerca de um quarto do eleitorado manifestava não saber como vai votar.

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.