Primeiro-ministro de Itália apela ao voto no domingo e diz que "está tudo em jogo"

| Mundo

O primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, apelou hoje à participação popular no referendo de domingo sobre a reforma constitucional, que retira o poder legislativo ao Senado, e assegurou que nas próximas 48 horas "está tudo em jogo".

"Dentro de 48 horas vão abrir-se as urnas, cinquenta milhões de cidadãos vão votar num referendo fundamental não para o Governo, não para um partido, mas sim para o país", disse o chefe de Governo numa entrevista à rádio RTL.

Depois da entrevista, o líder do Executivo respondeu a perguntas formuladas nas redes sociais sobre o referendo do próximo domingo, assegurando, numa das respostas, que "tudo está em jogo nas próximas 48 horas, é preciso ir trabalhar, convencer as pessoas; nunca houve um número tao grande de indecisos".

No referendo do próximo domingo os italianos são chamados a responder a uma pergunta sobre se apoiam a revisão constitucional que, entre outras coisas, retira a função legislativa ao Senado, uma iniciativa que o Governo assegura que vai agilizar o funcionamento do processo legislativo.

Nas últimas sondagens publicadas sobre as intenções de voto, a rejeição da reforma constitucional avançada pelo Governo estava dez pontos atrás do `sim`, 55% contra 45% das intenções de voto, mas cerca de um quarto do eleitorado manifestava não saber como vai votar.

A informação mais vista

+ Em Foco

Os portugueses escolhem os seus representantes locais a 1 de outubro. Acompanhe aqui a campanha, os debates e toda a informação sobre as eleições Autárquicas.

    A deriva independentista do nacionalismo catalão está a revelar-se mais grave do que Madrid previa inicialmente. Temos posições que não permitem qualquer margem para diálogo e que conduziram o processo a um impasse.

    Um ensaio do LNEC e do Instituto Superior Técnico, no âmbito do KnowRisk, evidencia a importância da tomada de medidas preventivas. Veja os vídeos e compare os dois casos.

    A Alemanha aproxima-se da data do escrutínio de 24 de Setembro com uma economia próspera: muita exportação, muita construção, receitas fiscais abundantes, orçamentos públicos excedentários. O reverso da medalha é a degradação de condições sociais para uma parte significativa da população.