Ramos-Horta vai "observar neutralidade" em relação a voto na segunda ronda

| Mundo

O Presidente de Timor-Leste, José Ramos-Horta, disse hoje que é uma honra perder as presidenciais para dois heróis nacionais e que vai observar neutralidade em relação ao voto da segunda ronda das eleições.

"Os dois candidatos que chegam ao final têm uma história, 24 anos de luta, preenchem a definição de herói nacional. Se eu perante isto perco, embora esta palavra neste contexto para mim não tenha o mais pequeno significado, mas se usarmos a palavra perder em relação a estes dois heróis nacionais é uma honra", afirmou José Ramos-Horta em conferência de imprensa.

Questionado sobre se pretendia apoiar algum dos dois candidatos que passam à segunda volta das presidenciais, José Ramos-Horta disse que, como chefe de Estado, vai cumprir "rigorosa neutralidade".

"Como chefe de Estado e cumprindo rigorosamente o papel de chefe de Estado de observar rigorosa neutralidade, sobretudo, num processo eleitoral como o nosso, posso em consciência ter a minha preferência, mas é em consciência", disse.

"Votarei como qualquer outro cidadão em um dos dois candidatos, mas não vou agora violar esta minha obrigação de neutralidade a dizer em quem vou votar", acrescentou.

Sobre o que fará no futuro, o Presidente timorense repetiu que estará disponível para ajudar as autoridades nacionais no que lhe pedirem.

"À 01:00 da madrugada de 20 de maio também poderei dizer qual será o meu papel nas legislativas", afirmou.

Segundo os últimos resultados provisórios das eleições presidenciais, Francisco Guterres Lu Olo obteve 128.266 votos (28,45 por cento), seguido de Taur Matan Ruak com 113.553 votos (25,18 por cento) e de José Ramos-Horta com 80.291 votos (17,89 por cento).

As eleições presidenciais realizaram-se no sábado.

Tópicos:

Guterres Lu Olo, Ramos Horta, Taur Matan Ruak, Timor Leste,

A informação mais vista

+ Em Foco

Entrevistada no Telejornal, a ministra da Saúde admitiu que reunir o consenso do PSD "não foi algo que tenha passado pelas preocupações do Governo".

A fronteira entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda continua a ser a maior dor de cabeça interna de Theresa May.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.