Romário manda calar Pelé sobre as manifestações no Brasil

| Mundo

|

O antigo jogador do Barcelona, Romário, reagiu aos apelos de Pélé para que os manifestantes voltem a casa aconselhando-o a "calar a boca". Romário acrescentou ainda que Pélé "em silêncio é um poeta". Outros jogadores, como Neymar, tomaram posição semelhante à de Romário, declarando o seu apoio às manifestações e distanciando-se do apelo que fizera o "rei Pélé".

A posição assumida por vários jogadores apoiantes dos protestos de massas não parecia óbvia à primeira vista entre membros da comunidade futebolística, porque as manifestações põem em causa os gastos astronómicos que o país tem feito com a Taça das Confederações.

As manifestações, que começaram contra o aumento de preços dos transportes públicos, em breve passaram a questionar o contraste entre o crescente abandono dos serviços públicos e a disponibilidade para financiar generosamente a Taça e, em breve, os Jogos Olímpicos de 2016.

Entre as faixas exibidas pelos manifestantes, há as que dizem "Queremos escolas e hospitais de padrão FIFA", ou outras que dizem "Se o seu filho adocecer leve ele ao estádio".

Apesar de os prefeitos de S. Paulo e do Rio de Janeiro terem anunciado que recuariam no plano de aumentar o preço dos transportes públicos, as manifestações prosseguiram, em torno de um caderno reivindicativo muito mais amplo e que vai mais fundo aos males da sociedade brasileira.

Pélé interveio neste ponto, com as palavras fatais: "Peço aos brasileiros que não confundam as coisas. Estamos a preparar a Copa do Mundo. Vamos apoiar a seleção nacional. Vamos esquecer a confusão que reina no Brasil. Vamos esquecer os protestos". Foram estas palavras do "rei" dos estádios e durante muitos anos grande embaixador publicitário da Pepsi-Cola, que incendiaram os ânimos de vários colegas futebolistas.

Tópicos:

Dilma, FIFA, Pélé, Romário, manifestações, transportes, Brasil,

A informação mais vista

+ Em Foco

Neste Manual do Brexit, explicamos em 12 pontos o que está em causa e os cenários que se colocam.

    Rosa Luxemburgo, "uma das melhores cabeças do socialismo internacional", foi assassinada há 100 anos.

      Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

        Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.