Suspensas operações de busca do avião da Malaysia Airlines desaparecido no Golfo da Tailândia

| Mundo

As equipas de resgate suspenderam até domingo a busca aérea do avião da Malaysia Airlines, que desapareceu hoje com 239 pessoas a bordo quando sobrevoava o Golfo da Tailândia, ao sul do Vietname, informou a transportadora.

A medida foi adotada ao cair da noite na região, cerca de 17 horas depois de a torre de controlo de Subang ter perdido o contacto com o Boeing 777-200 que fazia o voo MH3700, que saiu de Kuala Lumpur às 00:41 (16:41 de sexta-feira em Lisboa) e que deveria chegar a Pequim, na China, seis horas mais tarde.

"Uma missão internacional de busca e resgate foi mobilizada esta manhã. Por esta altura, as nossas equipas de resgate da Malásia, de Singapura e do Vietname não conseguiram encontrar nenhum vestígio do avião", afirmou a Malaysia Airlines no último comunicado, noticiado pela AFP, em que refere ainda que "a missão marítima vai continuar, apesar de a missão aérea ser retomada só ao amanhecer".

A companhia aérea e as autoridades da Malásia evitaram, para já, confirmar o acidente que, segundo a Marinha vietnamita, ocorreu a cerca de 300 quilómetros da ilha de Tho Chu, informou o portal `Tuoi Tre`.

O Exército da Malásia continua em contacto com as autoridades do Vietname para confirmar a possível localização do acidente, para onde a Malásia, o Vietname e Singapura enviaram embarcações aos meios aéreos.

Entretanto, a China mantém oito embarcações em alerta e está à espera de ordens, tendo também uma frota aérea preparada para descolar para a zona.

O avião transportava 227 passageiros, incluindo menores, e uma tripulação de 12 pessoas, estando a bordo 14 nacionalidades distintas.

Tópicos:

Exército, Golfo, Malásia Vietname,

A informação mais vista

+ Em Foco

O primeiro registo de imagem de uma posse presidencial na América é de março de 1857, quando James Buchanan se tornou o 15.º Presidente.

    Em entrevista à RTP, na hora da despedida de Lisboa, a embaixatriz dos Estados Unidos, Kim Sawyer, conta a sua história de vida.

      Amir Ashour é o primeiro iraquiano a dar a cara pelos direitos gay no seu país. Em segurança na Suécia, revela à RTP episódios de tortura e de rejeição.

        Nos 60 anos da Gulbenkian, a RTP deu uma volta pelo museu da fundação e continua a mostrar as obras mais significativas.