Morreu o antigo atleta olímpico António Leitão

| Atletismo

António Leitão (ao meio) durante a corrida de 5.000 metros nos Jogos Olímpicos de Los Angeles em 1984
|

António Leitão morreu este domingo, no Porto, aos 51 anos. O antigo atleta foi medalha de bronze nos 5.000 metros dos Jogos Olímpicos de Los Angeles1984 (veja o vídeo abaixo).

Leitão estava internado no Hospital de Santo António, no Porto, em estado de coma. Deu entrada na unidade hospitalar a 22 de fevereiro com um pulmão perfurado e o seu organismo estava debilitado há vários anos devido a hemocromatose.

Trata-se de uma doença rara, caraterizada pela excessiva absorção de ferro, provocando várias perturbações no organismo, nomeadamente problemas hepáticos e de diabetes.

Moniz Pereira, conhecido como “o senhor atletismo”, lamenta a morte de António Leitão. Em declarações à Antena1, Moniz Pereira mostra-se emocionado com a morte do antigo atleta olímpico.

“Eu era bastante amigo dele. E eu também estou na lista de espera, porque já fiz 91 anos. Era uma das pessoas de quem eu gostava muito e um dos elementos do atletismo português que continua a ser esquecido por muita gente”, afirma.

O presidente do Comité Olímpico de Portugal, Vicente Moura, confessa-se consternado com esta perda. Vicente Moura recorda à Antena1 as qualidades do antigo atleta olímpico como desportista e como homem.

“Acabou de partir um dos atletas portugueses mais prestigiados, um verdadeiro exemplo para todos os atletas e para todos os cidadãos portugueses”, defende Vicente Moura.

António Leitão nasceu em Espinho a 22 de julho de 1960. O Benfica, clube que representou durante dez anos, já lamentou a sua morte. “Este é um dia de luto para o atletismo e para o desporto português. Aos seus familiares e amigos, o clube endereça as mais sentidas condolências”, lê-se na página oficial do Benfica na internet.


Veja aqui o vídeo que recorda a prova que deu a medalha de bronze a António Leitão em Los Angeles:


A informação mais vista

+ Em Foco

Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

    O desaparecimento do jornalista saudita fragiliza a relação dos EUA com uma ditadura que lhe tem sido útil a combater o Irão e a manter os preços do petróleo.

      Na Venezuela, os sequestros estão a aumentar. Em Caracas, só este ano foram raptadas 107 pessoas.

        Faltam seis meses para a saída do Reino Unido da União Europeia. Dia 29 de março de 2019 é a data para o divórcio. A RTP agrega aqui uma série de reportagens sobre o que o Brexit pode significar.