Agência Lusa apresenta queixa à PSP contra agressão a foto-jornalista

| País
Agência Lusa apresenta queixa à PSP contra agressão a foto-jornalista

A Direção de Informação da Lusa protestou hoje "com a maior veemência" contra "a agressão", por agentes da Polícia de Segurança Pública (PSP), do fotógrafo da agência José Sena Goulão, durante uma manifestação em Lisboa.

O protesto foi formalizado, por carta, enviada ao diretor nacional da PSP, superintendente Paulo Valente Gomes.

"O comportamento das forças da PSP ao agredirem um jornalista em pleno exercício das suas funções constitui a prática de um crime e uma grave violação dos mais elementares direitos de personalidade do lesado, sem prejuízo da simultânea violação do Estatuto do Jornalista, razão pela qual a Lusa e o jornalista agredido se reservam o direito de recorrerem a todos os meios ao seu dispor para obterem a necessária e devida reparação pelos atos ilícitos cometidos", lê-se no texto assinado pela Direção de Informação da Lusa.

José Sena Goulão, "devidamente identificado como jornalista, estava a acompanhar uma manifestação" organizada pela Plataforma 15 de outubro, no âmbito da greve geral convocada pela CGTP, refere a direção da Lusa.

"Impedido de exercer o legítimo direito de Informação foi agredido, à bastonada por agentes da PSP", segundo a carta da Direção de Informação da Lusa.

Já caído no chão, "e não obstante gritar aos agressores a sua condição de jornalista, continuou a ser brutalizado pelos mesmos agentes", descreve ainda a carta de protesto enviado à PSP.

José Sena Goulão foi assistido no local pelo INEM e, posteriormente, conduzido numa ambulância ao hospital de S. José.

Em declarações à Antena1, o editor de Multimédia da Lusa, Paulo Carriço, relatou a situação ocorrida com o seu repóter fotográfico durante a cobertura da manifestação no Chiado, inserida na greve geral.

Durante a intervenção policial, também ficou ferida uma repórter de imagem da Agência France Press.

A informação mais vista

+ Em Foco

O homem que se deixa guiar mais pela racionalidade e disciplina considera que chegou o momento de “mobilizar os portugueses e com eles restabelecer a confiança num futuro melhor”.

    Na hora da despedida da liderança social-democrata, as juventudes partidárias olham para o legado do ex-primeiro-ministro, com uma pergunta em mente: se Portugal não falhou, o que dizer de Pedro Passos Coelho?

      Em entrevista ao programa Visão Global da Antena 1, o ministro dos Negócios Estrangeiros reforça o apoio ao diálogo político na Venezuela e falou sobre as relações entre Portugal e Angola.

      O ministro da Administração Interna garante em entrevista à Antena 1 que não será "nem para o ano, nem daqui por dois" que ser resolve o problema dos incêndios em Portugal.