Alemães adotam cães capturados nas ruas de Torre de Moncorvo

| País

Cães apanhados por serviços municipais nas ruas de Torre de Moncorvo estão a ser encaminhados para uma associação alemã que, depois, se encarrega de arranjar uma família para os acolher, revelou hoje fonte da autarquia.

A associação alemã Menschen fur Tierrechte Bayreuth (Pessoas pelos Direitos dos Animais) tem "ajudado" a encontrar uma solução para os cães abandonados, sendo atualmente responsável pela adoção de 31,8% dos 44 que foram capturados em 2012 nas artérias da vila transmontana.

"A adoção destes animais permite assim evitar o abate dos cães, dando-lhes uma família e uma nova oportunidade para serem felizes", disse à agência Lusa o vice-presidente da autarquia, José Aires.

Para a Alemanha, já foram enviados por via aérea, nos últimos quatro anos, "mais de uma centena de cães".

A Câmara de Torre de Moncorvo garante que tem procurado melhorar a qualidade de vida dos animais de companhia abandonados, "desenvolvendo iniciativas que resultem na sua adoção".

Dos 44 animais sem dono capturados no ano passado em Torre de Moncorvo, 77,2% foram adotados e possuem agora "um novo lar e uma nova vida", assinalou o autarca.

Os responsáveis pelo canil municipal de Torre de Moncorvo avançam com uma diminuição da taxa de eutanásia que baixou para 4,5% do total dos animais capturados.

A adoção de animais permite assim "diminuir" o número de animais abatidos, dando-lhes uma família e uma nova oportunidade de "serem felizes", segundo o vice-presidente.

No canil estão alojados "apenas" 10 animais, que brevemente seguirão viagem para a Alemanha, onde a associação alemã procurará uma nova família para estes animais de companhia.

O município do Douro Superior destaca ainda "o papel importante" que os munícipes tiveram nesta ação de sensibilização e adoção de animais "vadios". Cada vez mais preocupados com o "bem-estar animal", adotaram 25% dos animais capturados.

Tópicos:

Anis, Câa Torre, Menschen, Torre Moncorvo Torre,

A informação mais vista

+ Em Foco

Passaram sete anos desde o início das “Primaveras Árabes”. Regimes mudaram, guerras civis rebentaram, houve conflitos que alteraram dinâmicas regionais e vazios de poder que deram origem a Estados falhados.

Veja ou reveja a primeira entrevista de Rui Rio depois de ter sido eleito presidente do PSD.

Na hora da despedida da liderança social-democrata, as juventudes partidárias olham para o legado do ex-primeiro-ministro, com uma pergunta em mente: se Portugal não falhou, o que dizer de Pedro Passos Coelho?

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.