Ano de 2012 já regista 111 mortos nas estradas portuguesas

| País

Estradas portuguesas continuam a ser ponto de encontro com a morte
|

Acidentes em estradas portuguesas já provocaram a morte a 111 pessoas desde o início do ano. Os dados são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) que comparados com as 143 vítimas mortais do mesmo período do ano passado significam menos 32 mortos.

No período de 1 de janeiro a 15 de março deste ano a ANSR, com dados recolhidos pela Polícia de Segurança Pública (PSP) e pela Guarda Nacional Republicana (GNR), contabilizou um total de 111 mortos e 381 feridos graves, contra as 143 vitímas mortais e os 423 feridos graves do ano passado.

Já em relação ao número de feridos ligeiros estes chegaram aos 6.711, menos 903 do que no mesmo período de 2011.

Olhando apenas ao mês de março e no período de 1 a 15 os números da ANSRrevelam que morreram 10 pessoas, nove registadas pela GNR e uma pela PSP, e foram contabilizados 44 feridos graves, 28 pela GNR e 16 pela PSP.

Se as contas forem feitas olhando apenas ao último ano, ou seja, no período de de 16 de março de 2011 a 15 de março de 2012, o número de mortos nas estradas portuguesas foi de 656, menos 85 do que no período homólogo anterior.

A ANSR revela ainda que esta informação estatística tem um caráter provisório já que o conceito de "morto ou vítima mortal" utilizado neste âmbito abrange apenas as vítimas cujo óbito ocorre no local do acidente ou durante o transporte até à unidade de saúde.

Tópicos:

ANSR, Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária, estradas, morte, Acidentes,

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam em Portugal continental cerca de 200 mil hectares.

    Na primeira entrevista pós-autárquicas, à Antena 1, Jerónimo de Sousa não poupou nas palavras. Afirmou que o "Governo ficou mal na fotografia e subestimou a situação" dos fogos.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Acionar o artigo 155 da Constituição espanhola representa um momento único na História de Espanha. O Governo de Madrid já definiu os setores que quer controlar de imediato.