Autarca admite abertura de diques no Mondego em Coimbra

| País

O presidente da Câmara de Coimbra, Manuel Machado, admite a necessidade de, durante a noite, ser necessário abrir os diques fusíveis da bacia do Mondego, para conter a subida das águas do rio.

As previsões apontam para que, durante a noite, volte a chover com intensidade e "não excluímos a possibilidade de ter de abrir os diques fusíveis", para travar a subida do nível das águas no leito do rio, disse à agência Lusa o autarca.

Por isso também a Câmara já alertou as populações ribeirinhas, a jusante de Coimbra, para que "adotem medidas tendentes a minimizar estragos e se coloquem em posições seguras, desde logo a si próprias, bem como animais e bens que possam sofrer danos".

Mas mesmo sem a abertura dos diques fusíveis, aliviando o leito do rio pelo espraiamento da água, há possibilidade de inundações, se a chuva voltar a cair durante a noite com a mesma intensidade com que se fez sentir durante o dia, sublinhou Manuel Machado.

O recurso aos diques de segurança será adotado, no entanto, de modo a minimizar tanto quanto possível os seus efeitos, no Baixo Mondego, considerando, designadamente, "tanto quanto possível, as marés, salientou o presidente da Câmara de Coimbra e responsável pela Proteção Civil municipal.

"A situação está difícil", mas todas as entidades envolvidas estão a atuar de forma coordenada, assegurou Manuel Machado, referindo que "já foi pedido o reforço de meios público e privados" para "socorrer, na medida possível, a todas as situações".

Ao longo do dia de hoje o mau tempo fez-se sentir em toda a região Centro, especialmente na zona da bacia do Mondego, sendo Coimbra uma das áreas mais afetadas, com o Mosteiro de Santa Clara-a-Velha a ser de novo inundado pelas águas do Mondego, que submergiram também as esplanadas do Parque Verde e ameaçaram a localidade de Cabouco, nas margens do rio Ceira.

Tópicos:

Clara, Mau, Mondego,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.