Autarca de Mesão Frio reivindica construção do IC26

| País

O presidente da Câmara de Mesão Frio reivindicou hoje a construção do Itinerário Complementar 26 (IC26) para tirar o concelho do isolamento e facilitar o investimento neste território.

Quando foi eleito em 2009, Alberto Pereira assumiu como uma das suas prioridades a melhorias das acessibilidades para desencravar e concretizar o desenvolvimento do concelho.

A construção do IC26, que vai ligar Amarante ao Peso da Régua, é encarada como a solução para a resolução destes problemas.

Esta via é reivindicada pelas populações durienses há muitos anos para substituir as sinuosas e perigosas estradas nacionais 101 (EN101), que liga o concelho a Amarante, e a 108, que liga ao Peso da Régua.

"Acessibilidades é um problema que se fala em Mesão Frio há mais de 20 anos. Nós não podemos ter maiores investimentos no nosso concelho porque os acessos são maus", afirmou o autarca.

Alberto Pereira lembrou que, ainda durante o Governo de José Sócrates, chegou a ter em cima da sua secretária o projeto deligação Amarante/Mesão Frio.

"Mas com a queda do Governo todo esse projeto caiu e aguardamos que este Governo volte a pegar nesse projeto porque seria estruturante para toda esta região", sublinhou.

Para além de abrir portas ao investimento no concelho, o autarca salientou ainda que a nova estrada permitiria facilitar o escoamento de vinho da região, lembrando que esta é a principal atividade económica do Douro.

Em muitas curvas destas estradas nacionais os veículos pesados têm de fazer manobras para conseguirem passar.

"É essencial que o IC26 saia do papel rapidamente até porque hoje vemos que toda a região norte foi melhorada em termos de vias de comunicação e Mesão Frio ficou aqui encalacrado e não tem um acesso rápido a nenhuma dessas vias de comunicação", frisou.

O projeto revelado a Alberto Pereira em 2009, apontava para a aproveitamento no atual corredor da 101 para a construção do troço entre Amarante e Mesão, com as "devidas retificações em termos de curvaturas e declives e construção de túneis e viadutos", de forma a "adaptar a estrada ao traçado de um itinerário complementar".

Na altura, o Ministério das Obras Públicas referiu que, para o lanço entre Mesão Frio e Régua, que se desenvolve em pleno Alto Douro Vinhateiro, estava a ser analisada a possibilidade da requalificação paisagística da EN108, associada eventualmente a pequenas variantes.

O secretário de Estado das obras Públicas, Paulo Campos, anunciou em outubro de 2007 que o IC26 deveria estar concluído até final de 2010, com uma extensão total de 43 quilómetros e 120 milhões de euros de investimento.

PLI // JGJ

Lusa/Fim

Tópicos:

Aante, Câa, Mesão Frio,

A informação mais vista

+ Em Foco

Houve aldeias ceifadas e vidas destruídas. O medo viveu ao lado de histórias de heroísmo. Contamos as estórias que agora preenchem dezenas de aldeias esquecidas, muitas pintadas a cinza.

    O incêndio de Pedrógão Grande provocou a morte de 64 pessoas e deixou mais de 200 pessoas feridas. Revisitamos os últimos dias com fotografias e imagens aéreas captadas com recurso a um drone.

      É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

      Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.