Campanha para incentivar natalidade choca com pressões patronais

| País
Campanha para incentivar natalidade choca com pressões patronais

A ver: Campanha para incentivar natalidade choca com pressões patronais

Portugal tem empresas que só aceitam trabalhadoras que concordam em não engravidar nos primeiros 5 anos de trabalho. A denúncia foi feita ao Sexta às 9 pelo coordenador nomeado pelo Governo para realizar um plano de incentivo à natalidade. Mas há muito mais: descobrimos mulheres que foram despedidas depois de terem engravidado. Outras que mentiram para conseguir um emprego. É esta a dura realidade num país onde nascem cada vez menos crianças e onde há cada vez mais mulheres desempregadas a abortar. Dados provisórios do INE dizem que no ano passado em Portugal nasceram apenas 83 mil crianças, o número mais baixo de sempre desde 2010.

A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista à Antena 1 e Jornal de Negócios, José Theotónio considera que existe uma diferença de preços muito significativa em relação a mercados concorrentes.

Em entrevista à RTP, o embaixador francês analisa o atual momento do país, os populismos, os emigrantes portugueses e o interesse francês em Portugal.

    A Associação Adeptos dos Sonhos faturava cerca de 2600 euros por dia, alegadamente para ajudar crianças carenciadas, mas 90% do dinheiro que recebia ia para uma empresa privada do namorado da presidente.

    Entrevista de D. António Marto, Bispo de Leiria-Fátima, à RTP.