Ciclaveiro publica na Internet fotos de carros que "usurpam" ciclovias

| País

O grupo Ciclaveiro lançou uma campanha contra a "usurpação" de ciclovias por carros mal estacionados, criando um "site" de denúncia com fotos das viaturas em transgressão.

O objetivo, diz Rui Igreja, daquele movimento cívico, "é alertar as instituições e autoridades competentes para este crónico problema, que têm ignorado, e sensibilizar quem indevidamente estaciona na ciclovia, para a diminuição dos níveis de segurança que causa aos utilizadores de bicicleta".

A campanha, que ainda aceita fotos e vídeos, foi lançada pelo Ciclaveiro durante a Semana Europeia da Mobilidade, através da rede social Facebook, tendo como alvo concreto a ciclovia da rua da Pêga.

A página do evento, segundo dados disponiblizados no Facebook, foi até agora acedida por 429 pessoas, e `posts` e `links` para a mesma tiveram um alcance de 3.200 pessoas.

Segundo Rui Igreja, a escolha da ciclovia da rua da Pêga não foi casual: "por um lado, tem um acesso perigosíssimo para quem circula de bicicleta e se desloca entre o centro de Aveiro e a Universidade, o cruzamento junto ao Pavilhão do Beira-Mar, atualmente com os semáforos intermitentes"

Por outro, diz a fonte, a rua da Pêga "está constantemente ocupada por automóveis estacionados na ciclovia, obrigando muitas vezes os ciclistas a utilizar a estrada quando existe uma infraestrutura para seu uso, conforto e segurança".

O Ciclaveiro lamenta que no país e particularmente em Aveiro, faltem vias cicláveis com condições de segurança.

Cita mesmo o "ciclobarómetro" da Federação Europeia de ciclistas, o qual conclui que "Portugal é o país da União Europeia com maior taxa de fatalidades de utilizadores de bicicleta".

Tópicos:

Pavilhão,

A informação mais vista

+ Em Foco

A Redação da RTP votou sobre as figuras e acontecimentos mais destacados, a nível nacional e internacional. Veja aqui as escolhas.

    O verão acabou e com ele as horas de lazer nas praias. Mas a presença humana nestes locais ainda se faz sentir.

      Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.