Ciclaveiro publica na Internet fotos de carros que "usurpam" ciclovias

| País

O grupo Ciclaveiro lançou uma campanha contra a "usurpação" de ciclovias por carros mal estacionados, criando um "site" de denúncia com fotos das viaturas em transgressão.

O objetivo, diz Rui Igreja, daquele movimento cívico, "é alertar as instituições e autoridades competentes para este crónico problema, que têm ignorado, e sensibilizar quem indevidamente estaciona na ciclovia, para a diminuição dos níveis de segurança que causa aos utilizadores de bicicleta".

A campanha, que ainda aceita fotos e vídeos, foi lançada pelo Ciclaveiro durante a Semana Europeia da Mobilidade, através da rede social Facebook, tendo como alvo concreto a ciclovia da rua da Pêga.

A página do evento, segundo dados disponiblizados no Facebook, foi até agora acedida por 429 pessoas, e `posts` e `links` para a mesma tiveram um alcance de 3.200 pessoas.

Segundo Rui Igreja, a escolha da ciclovia da rua da Pêga não foi casual: "por um lado, tem um acesso perigosíssimo para quem circula de bicicleta e se desloca entre o centro de Aveiro e a Universidade, o cruzamento junto ao Pavilhão do Beira-Mar, atualmente com os semáforos intermitentes"

Por outro, diz a fonte, a rua da Pêga "está constantemente ocupada por automóveis estacionados na ciclovia, obrigando muitas vezes os ciclistas a utilizar a estrada quando existe uma infraestrutura para seu uso, conforto e segurança".

O Ciclaveiro lamenta que no país e particularmente em Aveiro, faltem vias cicláveis com condições de segurança.

Cita mesmo o "ciclobarómetro" da Federação Europeia de ciclistas, o qual conclui que "Portugal é o país da União Europeia com maior taxa de fatalidades de utilizadores de bicicleta".

Tópicos:

Pavilhão,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista à RTP, o candidato derrotado nas diretas do PSD diz que o partido deve serenar após o Congresso e admite que vai ser “muito difícil ganhar eleições" no quadro atual.

Nicolás Maduro quer alargar poderes e, para tal, leva a cabo eleições antecipadas. É um "golpe constitucional", na leitura de Filipe Vasconcelos Romão, comentador da Antena 1.

Abrir uma torneira e vê-la jorrar água. É um ato tão comum que nunca imaginamos um dia em que tal quadro possa desaparecer. Algo que está prestes a tornar-se realidade na África do Sul.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.