Estivadores preocupados com o seu futuro

| País
Estivadores preocupados com o seu futuro

Há uma linha que no futuro pode separar o trabalho portuário. Os estivadores descarregam os navios carregam os camiões, armazenam fruta ou papel, mas no futuro as tarefas serão repartidas pelos homens que atualmente fazem todo o trabalho e por empresas contratadas.

O governo prepara-se para mudar a lei, e é por isso que – olhando ao futuro ameaçado – os trabalhadores dos portos estão em greve. No porto de Lisboa a paralisação prolonga-se até 22 de outubro, das 17 às 24 horas. De 23 de outubro até ao fim do mês a paragem é das 8 às 17 horas, e a ameaça não fica por aqui.

A greve arrasta-se desde agosto e já levou a confederação dos empresários, a associação industrial, carregadores, empresas de logística e concessionários a pedir ao governo para que altere as taxas portuárias e reveja os contratos.

Esta reportagem “Um Dia na Estiva” retrata uma manhã de trabalho no terminal multiusos do Beato, em Lisboa, e regista as preocupações de quem aqui trabalha.

(com sonorização de Carlos Felgueiras)

Relacionados:

A informação mais vista

+ Em Foco

Passaram sete anos desde o início das “Primaveras Árabes”. Regimes mudaram, guerras civis rebentaram, houve conflitos que alteraram dinâmicas regionais e vazios de poder que deram origem a Estados falhados.

Veja ou reveja a primeira entrevista de Rui Rio depois de ter sido eleito presidente do PSD.

Na hora da despedida da liderança social-democrata, as juventudes partidárias olham para o legado do ex-primeiro-ministro, com uma pergunta em mente: se Portugal não falhou, o que dizer de Pedro Passos Coelho?

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.