Governo pondera barragem Foz Côa como alternativa ao petróleo -imprensa

| País

A construção de uma barragem em Foz Côa volta a ser ponderada pelo governo, como forma de reduzir a dependência do país em relação ao petróleo, avançam hoje os jornais Público e Jornal de Negócios.

Além da barragem de Foz Côa, também a energia nuclear está entre as propostas sugeridas como alternativa ao petróleo, avançam ambos os diários, acrescentando que as duas ideias, abordadas quinta-feira em Conselho de Ministros, provocaram contestação dentro do Governo.

"Governo discute nuclear e barragem em Foz Côa como alternativa ao petróleo", escreve em manchete o Público, acrescentando que "documento gerou polémica e não foi tornado público".

O jornal assinala que as duas ideias - uma das quais, a do nuclear, proposta pelo ministério das Ciências e do Ensino Superior - estão entre as propostas sugeridas para reduzir a dependência nacional em relação ao petróleo, mas geraram polémica no seio do executivo.

O Conselho de Ministros acabou por adiar a deliberação sobre o plano de alternativa à dependência do petróleo apresentado pelo ministro das Actividades Económicas, Álvaro Barreto, acrescenta.

A controvérsia em torno destas duas ideias, que constam da última versão de um relatório preliminar sobre a redução da dependência energética do país face ao petróleo, apresentada quinta- feira pela primeira vez, "terá obrigado" o Conselho de Ministros a deixar a aprovação do documento para mais tarde, assinala o jornal, que dá conta de "forte estupefacção e contestação entre membros do Governo.

O jornal explica que cada ministério deu as duas contribuições ao documento, mas que "não foi possível identificar" qual o ministério que avançou com a ideia da barragem de Foz Côa, projecto polémico que o Governo abandonou em Janeiro de 2006.

O Público diz ainda que o ministro da Presidência, Morais Sarmento, assegurou no final do plenário governamental que a "proposta concreta" a apresentar ao país será aprovada até ao fim de Novembro.

Também o Jornal de Negócios assinala que o assunto, nomeadamente a reabertura do "dossier" Foz Côa, "não é sequer pacífico no Governo", adiantando que o ministro do Ambiente, Nobre Guedes, manifestou reservas, e que o presidente da REN também aconselhou Barreto a não reabrir o dossier.

Este jornal diz que o projecto "esteve mesmo +na calha+ para ir ontem (quinta-feira) para aprovação em Conselho de Ministros", tendo as intenções do ministro Álvaro Barreto sido "travadas na véspera por outros colegas do Governo, nomeadamente na área do ambiente e transportes".

O jornal assinala que várias fontes governamentais contactadas pelo Jornal de Negócios confirmaram a intenção do executivo construir a barragem, mas não foi possível conseguir confirmação oficial.

A informação mais vista

+ Em Foco

A ONU alerta para um ano de grande instabilidade e de necessidades maiores por parte da população civil.

Em entrevista à Antena 1, o presidente do PS elogia a chamada "geringonça", mas coloca reservas quanto à hipótese de ter BE e PCP num futuro executivo socialista.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.