Greve na CP mantém-se porque sindicato não aceita contraproposta da empresa

| País

O Sindicato dos Maquinistas anunciou hoje que se mantém a greve na CP que começa à meia-noite porque não aceita a contraproposta apresentada pela empresa.

Em declarações à Agência Lusa, o presidente do sindicato, António Medeiros, disse que a estrutura decidiu comunicar à CP que não aceita a contraproposta da transportadora relativa aos processos disciplinares instaurados aos maquinistas, e que estão na origem da paralisação.

A decisão foi tomada depois de o sindicato ter pedido, pouco depois das 22:00, a interrupção da reunião convocada pela CP para o final da tarde, após ambas as partes terem mostrado vontade para negociar.

O sindicato exige que a transportadora reavalie todos os processos disciplinares, visando o seu arquivamento, no respeito pelos acordos firmados a 21 de abril e 09 de junho.

Mas, segundo António Medeiros, a empresa apenas se compromete a arquivar os processos que considera, a seu modo, terem irregularidades.

A CP já tinha anunciado anteriormente que, depois de avaliados, os processos com irregularidades seriam arquivados.

A greve começa à meia-noite e prolonga-se até domingo, dia de Natal, estando também marcado um novo período para 01 de janeiro e ao trabalho extraordinário até ao final deste mês.

 

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 260 episódios, o projeto chegou às mais diversas áreas: saúde, engenharias, astronomia, tecnologia, química, história, filosofia, desporto ou geografia.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.