Hospital Dona Estefânia tem dez dias para iniciar remodelação da farmácia

| País

O Infarmed deu dez dias à farmácia do hospital Dona Estefânia para que inicie um processo de remodelação, na sequência de uma inspeção realizada esta semana, a qual detetou várias irregularidades estruturais, que podem levar ao seu encerramento.

"Se o hospital decidir seguir as nossas recomendações e apresentar um plano para resolver os problemas, a farmácia não vai fechar. Se a direção [do hospital] não reformular as condições existentes e entender fechar a farmácia, então terá de trabalhar para encontrar uma alternativa", explicou o presidente do Infarmed à Agência Lusa.

Jorge Torgal assegurou que, de momento, os problemas identificados, ao nível das condições do espaço, não põem em causa a saúde das crianças nem a qualidade do serviço prestado pela farmácia, mas "podem vir a pôr", caso não sejam solucionados e venham a agravar-se no futuro.

A farmácia do hospital Dona Estefânia presta um serviço único aos outros hospitais do Centro Hospitalar de Lisboa, no que diz respeito à elaboração de alguns medicamentos específicos para pediatria.

O presidente da Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde (Infarmed) esclareceu que em 2009, após uma inspeção, foi proposto um conjunto de medidas para melhorar a qualidade da farmácia.

No decorrer do último trimestre do ano passado, os inspetores realizaram nova fiscalização à farmácia e voltaram a encontrar irregularidades. Na sequência dessa inspeção, foram dados ao hospital cinco meses para solucionar as anomalias detetadas.

O prazo terminou esta semana, tendo os inspetores do Infarmed regressado à farmácia hospitalar e constatado que as irregularidades permaneciam.

"Agora foi feita uma recomendação de que tinham [direção do hospital] dez dias para iniciar o cumprimento de um conjunto de recomendações que não tinham sido cumpridas e que têm em vista assegurar a melhoria da qualidade da farmácia", esclareceu Jorge Torgal.

Sobre as irregularidades concretas encontradas na farmácia hospitalar do Dona Estefânia, o presidente do Infarmed diz desconhecer, adiantando que o processo e o relatório da inspeção também não são públicos.

No entanto, o responsável adiantou algumas possíveis irregularidades que podem estar a acontecer na farmácia do hospital Dona Estefânia.

"Pode ter a ver com a tinta das paredes, com a climatização, com a humidade do ar, com as mesas onde se trabalha ou até com a qualidade do chão. Podem ser muitas coisas", explicou.

"Mas o mais importante é que, de momento, a situação não põe em causa, de uma forma absoluta ou crítica, aquilo que se passa na farmácia. Se assim fosse teríamos encerrado, porque primeiro está a saúde das crianças e isso não está em risco", garantiu Jorge Torgal.

O responsável acredita que os problemas serão ultrapassados através de um trabalho conjunto entre o hospital e o próprio Infarmed.

 

Tópicos:

Dona Estefânia, Infarmed,

A informação mais vista

+ Em Foco

A ONU alerta para um ano de grande instabilidade e de necessidades maiores por parte da população civil.

Em entrevista à Antena 1, o presidente do PS elogia a chamada "geringonça", mas coloca reservas quanto à hipótese de ter BE e PCP num futuro executivo socialista.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.