Investigadores consensuais sobre papel dos "media" no fomento de sentimento de insegurança

| País

Vários investigadores ouvidos pela Lusa afirmaram que a influência dos meios de comunicação sobre a sensação de insegurança da população é significativa e criticaram o tratamento dado a vários atos pelos "media".

Para o investigador e doutorado em Criminologia José Pires Leal, a perspetiva de insegurança "depende do capital escolar que as pessoas têm, da capacidade de se questionarem sobre a informação a que estão sujeitas, de não a beberem como uma verdade insofismável".

Luís Fernandes, da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto, destacou o "grande consenso" que existe sobre a "importância que os meios audiovisuais têm na criação do sentimento de insegurança", com exemplos concretos como o caso do "arrastão" de Carcavelos em 2005, cujas "ondas de choque não se teriam verificado" sem a televisão.

Já o professor da Escola da Polícia Judiciária Eduardo Viegas Ferreira refere: "Não se pode nem deve esperar que a comunicação social forneça toda a informação necessária para a construção de modelos descritivos e interpretativos robustos para a criminalidade -- nem que contribua para um melhor ajustamento entre realidade criminal e receio do crime".

José Pires Leal realça que uma maior educação no que diz respeito ao consumo mediático podia levar a que as pessoas conseguissem assimilar de forma mais crítica aquilo que lhes é exposto.

"Há pessoas que veem muita televisão, mas que se perguntam se será mesmo assim. Não se fará aqui uma escolha de notícias e se concentra aqui uma carga de negatividade que, se não tivermos cuidado, diz que a sociedade portuguesa é caótica?", questionou Pires Leal.

Eduardo Viegas Ferreira, autor do livro "Crime e Insegurança em Portugal: Padrões e Tendências, 1985-1996", considera que "a manipulação de informação sobre `crimes` e sobre `criminosos` é outra questão. `Infiéis`, `judeus`, `feiticeiros e feiticeiras`, `ciganos` e `minorias` em geral foram e provavelmente continuarão a ser utilizados como bodes expiatórios para explicar disfunções sociais, económicas e políticas para as quais pouco ou nada contribuíram ou contribuem."

O professor da Escola da Polícia Judiciária exemplifica com os casos da temporada de fogos e defende que "a `glorificação` do criminoso e do seu ato não ajuda muito à prevenção do crime".

"Transformar um crime e um criminoso em algo de `fascinante` é um mau serviço -- denunciar a falta de apoio à vítima e glorificar uma vítima que apesar de tudo sobreviveu, ao `criminoso` e à sociedade, talvez seja um melhor serviço", considera Eduardo Viegas Ferreira.

Tópicos:

Carcavelos, Criminologia, Pires Leal Viegas, Psicologia,

A informação mais vista

+ Em Foco

Um estudo recente demonstra que pescar abaixo dos 600 metros de profundidade pode trazer graves problemas no ecossistema marinho.

    Milhares de migrantes procuram refúgio na Europa em fuga da guerra e da instabilidade no Médio Oriente e África.

      A rádio pública completou 80 anos. Assinalámos a data com cinco entrevistas e outras cinco reportagens.

        Tire uma fotografia, escreva um e-mail com nome, local e descrição e envie para ferias@rtp.pt.