Jardim só aceita presidência com maioria absoluta

| País

|

Alberto João Jardim, presidente demissionário do Governo Regional da Madeira, disse à Agência Lusa que não aceitará formar governo se não obtiver maioria absoluta nas eleições legislativas regionais de 6 de Maio próximo.

Alberto João Jardim, que cumprirá 29 anos de governo da Região Autónoma da Madeira no próximo dia 17 de Março, considera que "não ter maioria absoluta de deputados aconselharia a que fosse outra pessoa do PSD-M a formar governo visto que teria sempre melhores condições para isso".

"Eu fiz sempre uma política de bipolarização na Madeira - justifica - de um lado o PSD e, do outro, no mesmo saco, todos os partidos da oposição".

João Jardim apresentou a sua demissão de presidente do Governo Regional a 19 de Fevereiro em protesto contra a aprovação da Lei das Finanças das Regiões Autónomas (LFR) que, em 2007, implicará já um corte financeiro de 34 milhões de euros só na componente das transferências do Orçamento de Estado.

Os cortes financeiros do Estado, a que se juntará a partir de 2011 o fim do Fundo de Coesão Nacional, apresentam uma diminuição progressiva que, em 2013, representarão uma diminuição de 446,3 milhões de euros e de 326,5 milhões de euros da União Europeia.

"Tudo o que está a passar-se é uma questão partidária, é uma instrumentalização do Estado para fins do Partido Socialista (PS)", afirma.

"O PS - continua - pretendia cozer-nos em lume brando até 2008".

Alberto João Jardim considerou que a forma como o Tribunal Constitucional aceitou a constitucionalidade da LFR, admitindo que eventualmente haverá matéria para uma apreciação sucessiva" da lei, foi "um sinal ao Presidente da República de que de facto poderá haver uma inconstitucionalidade".

"Para minha surpresa, e utilizando um estranho critério ético-político, o PR promulgou a lei, mas fazendo-a acompanhar de uma declaração da sua Casa Civil monde diz que os órgãos de governo próprios da região poderão a qualquer altura recorrer ao TC para apreciação sucessiva de eventuais inconstitucionalidades.

Isto parece o jogo do empurra", disse.

O chefe demissionário do governo madeirense afirmou "não compreender bem a actuação do Chefe de Estado neste seu primeiro mandato" mas assegurou que "para já, o PSD-M mantêm toda a sua lealdade ao Presidente da República".

Para João Jardim, a actual situação política regional, é consequência de "uma obsessão pessoal do primeiro-ministro, José Sócrates", em relação à Madeira e ao presidente regional.

"Mas não fomos nós que tivemos este espírito de agressividade", frisou, destacando que a sua intenção, uma vez concluídas as eleições e caso as ganhe, "é recomeçar tudo de novo". "Estas eleições não são uma revanche, estas eleições não são um ajuste de contas, são para fazer o povo madeirense se pronunciar", declarou.

"A minha posição - clarifica - é não falar mais do que está para trás. Vamos conversar outra vez".

Mas, avisa, "no caso de continuar esta ofensa a uma minoria de portugueses que é a população da Madeira e do Porto Santo, vamos ter que dar conhecimento disto à comunidade internacional".

Quanto à campanha eleitoral, Jardim disse que seria menos "folclórica" que as anteriores e salientou que ela assume, desta vez, outros contornos: "são duas grandes questões que estão em confronto: por um lado, os direitos do povo madeirense ofendidos, o nosso orgulho de madeirenses, o não deixar criar precedentes contra a autonomia política e, por outro, está a tentativa de Lisboa ser prepotente sobre a minoria portuguesa da Madeira e do Porto Santo".

"Estas matérias - acentua - são demasiado sérias para que se faça aquele folclore e barulho na rua".

"Vou fazer umas eleições muito calmas, uma campanha tranquila, mas firme", avisa.

O vencedor das sucessivas eleições legislativas regionais do período da autonomia regional declara, no entanto, que este é o seu "último mandato".

"Os meus colegas de partido sabiam muito bem que eu me preparava para sair em 2008", confessa.

"Eu costumo dizer que até esta partida o engenheiro José Sócrates me pregou", concluiu.

A informação mais vista

+ Em Foco

Várias organizações de defesa dos Direitos Humanos exigem uma investigação rigorosa.

A morte do advogado foi conhecida há dois anos, no Natal, mas existem vários indícios de que a possa ter simulado.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.