Litoral português em risco com a subida crescente do nível das águas do mar

| País

|

A subida do nível médio das águas do mar pode colocar em risco a zona costeira do país. Os novos dados divulgados pela norte-americana Agência Oceânica consideram um aumento entre 2 a 2,7 metros até 2100, em casos extremos de emissões de gases com efeitos de estufa.

É um problema que parece não estar fora de controlo: o aquecimento global está a acelerar o degelo e este, consequentemente, faz subir o nível médio das águas do mar.

A subida do nível das águas é inevitável e um problema global de conhecimento público. Mas este aumento pode ser mais grave do que era previsto. A Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA) alerta para o risco acrescido de inundações devastadoras, caso se verifique o pior dos cenários.

O facto é que Portugal não está livre desta ameaça. A vulnerabilidade do país é evidente por ser um país com uma orla costeira extensa. Por essa razão, requer alguma preocupação na sua política costeira, que deve ter em atenção os cenários futuros.

"No século XX o nível médio do mar subiu cerca de 17 centímetros. Atualmente, o ritmo médio de subida está a aumentar, registando uma subida de dois ou três milímetros por ano", constata o professor e investigador da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e do cE3c - Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais, Filipe Duarte Santos.


O marégrafo de Cascais, a funcionar desde o século XIX, é uma das evidências que comprova que o nível do mar tem subido ao longo dos anos. O gráfico, disponibilizado pela NOAA, mostra a evolução do nível médio do mar nesta vila portuguesa entre 1880 e 2000.

Durante esse período há uma subida evidente do nível médio das águas do mar nesta região.


A novidade é que o ritmo de subida do nível do mar pode ser mais rápido do que o esperado. De acordo com os últimos estudos e observações, nomeadamente sobre o gelo da Antártida e a sua instabilidade, a Agência Oceânica norte-americana prevê, no pior dos cenários, um aumento do nível das águas de 2 a 2,7 metros até 2100.

São notícias preocupantes principalmente para as gerações futuras. Os cientistas alertam para as mudanças que podem ocorrer a nível global, já que até ao final do século XXI o nível médio do mar deve subir pelo menos um metro.

"É um processo que, se não combatermos as alterações climáticas, se torna irreversível", acrescenta o investigador.

As alterações climáticas e os seus efeitos são um problema global. O Acordo de Paris, ratificado em novembro passado, é "um marco histórico no combate às alterações climáticas", afirma Filipe Duarte Santos.

O relatório divulgado pela Agência Oceânica norte-americana pretende, sobretudo, alertar para os possíveis riscos de inundação das zonas costeiras norte-americanas e ajudar as autoridades a prepararem-se.

Uma animação criada pelo Serviço Geológico dos Estados Unidos mostra, de forma meramente ilustrativa, as áreas de baixa elevação que podem ser afetadas com a subida do nível médio das águas do mar. É claro pois que quantos mais metros sobe o nível do mar, maior população será afetada.

Tópicos:

Aquecimento Global, Degelo, Inundações, Mar, Subida,

A informação mais vista

+ Em Foco

Houve aldeias ceifadas e vidas destruídas. O medo viveu ao lado de histórias de heroísmo. Contamos as estórias que agora preenchem dezenas de aldeias esquecidas, muitas pintadas a cinza.

    Jorge Paiva, botânico e professor, um dos maiores peritos da floresta, critica em entrevista à Antena 1 o desinteresse generalizado dos políticos pelos problemas da floresta.

    É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

    Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.