Nestlé retira lasanha com carne de cavalo do mercado português

| País

Nestlé retira lasanha com carne de cavalo do mercado português

A lasanha à bolonhesa da marca Davigel foi o produto retirado pela Nestlé em Portugal | Dominic Favre, EPA

A Nestlé decidiu suspender a distribuição em Portugal de uma lasanha à bolonhesa da marca Davigel, depois de ter detetado carne de cavalo na composição do produto, confirmou à RTP o Gabinete de Comunicação da multinacional. Segundo a assessoria de imprensa da operação da empresa em Portugal, a venda daquele produto está limitada ao sector da hotelaria.

Depois de ter anunciado a retirada dos mercados italiano, espanhol e francês de produtos de massa com carne, a multinacional suíça Nestlé confirma que tem agora em marcha um processo semelhante em Portugal. Em causa, no caso português, está uma lasanha à bolonhesa da marca Davigel, cuja distribuição está circunscrita à hotelaria.
Nas últimas semanas foi detetada carne de cavalo em produtos com rótulo de bovino vendidos em vários países-membros da União Europeia, entre os quais Alemanha, França, Reino Unido, Áustria, Noruega, Dinamarca, Holanda, Suécia, Irlanda e Bélgica.
O produto, indicou à RTP o Gabinete de Comunicação da Nestlé Portugal, não é vendido no sector do retalho. Ainda de acordo com a assessoria de imprensa da operação portuguesa da multinacional suíça, a decisão de retirar a lasanha da Davigel do mercado foi tomada após terem sido detetados vestígios de ADN de cavalo superiores a um por cento.

Os produtos retirados em Espanha e Itália são os ravióli e tortellini de carne Buitoni. Foi igualmente retirada lasanha à bolonhesa produzida em França para negócios de catering.

Numa primeira nota hoje conhecida, sem qualquer referência a Portugal, a Nestlé garantia que não se tratava de um problema de segurança alimentar, ressalvando que o erro de rotulagem indiciava que os produtos não reuniam “as exigências de qualidade muito elevadas que os consumidores esperam” da empresa. Num segundo comunicado remetido à RTP, a estrutura portuguesa do grupo sublinha estar a retirar de forma “voluntária” a “lasanha da Nestlé Professional destinada ao canal Horeca (serviços de alimentação)”.
Produto substituído

Em Portugal, lê-se no mesmo texto da Nestlé, a lasanha em causa vai ser substituída “por produto com 100% de carne de vaca”.

“Com esta ocorrência estamos também a reforçar o nossos já exigentes programas de garantia de qualidade, adicionando-lhes testes de despistagem de DNA de cavalo em toda a matéria-prima, antes da sua entrada em produção e em todos os países europeus. Assegurar a qualidade e segurança de nossos produtos foi sempre uma prioridade para a Nestlé”, acrescenta a multinacional.

No passado dia 13 de fevereiro, a RTP enviou para o Ministério da Economia e Emprego duas perguntas dirigidas à ASAE, que passados seis dias ainda não receberam qualquer resposta, apesar das insistências: “1 – Quais foram exactamente as ações de fiscalização ou de análise laboratorial efectuadas pela ASAE no sentido de detetar eventual contaminação de produtos à venda em Portugal com carne de cavalo? No caso de ter havido análises laboratoriais, elas foram feitas a que produtos, a que lotes e em que datas? 2 – A ASAE foi informada recentemente por qualquer empresa a operar em Portugal da retirada de produtos de carne do mercado, o chamado silent recall? Se sim, por que empresas, que produtos, em que datas e quais as razões invocadas?”.

A 8 de fevereiro, o Ministério da Economia, que tutela a a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica, garantiu à Lusa ter efetuado fiscalizações a 53 estabelecimentos, não tendo sido “detetadas irregularidades semelhantes às das notícias em Inglaterra e Irlanda”.

Nesse dia, tinha sido noticiado que as lasanhas de carne e bolonhesas congeladas da Findus continham carne de cavalo. Apesar destas declarações, a ASAE nunca comunicou até hoje publicamente o nome e a localização dos estabelecimentos fiscalizados.

Tópicos:

Carne, Cavalo, Hotelaria, Lasanha, Mercado, Nestlé, Retalho,

A informação mais vista

+ Em Foco

Um estudo recente demonstra que pescar abaixo dos 600 metros de profundidade pode trazer graves problemas no ecossistema marinho.

    Milhares de migrantes procuram refúgio na Europa em fuga da guerra e da instabilidade no Médio Oriente e África.

      A rádio pública completou 80 anos. Assinalámos a data com cinco entrevistas e outras cinco reportagens.

        Tire uma fotografia, escreva um e-mail com nome, local e descrição e envie para ferias@rtp.pt.