Nestlé retira lasanha com carne de cavalo do mercado português

| País

A lasanha à bolonhesa da marca Davigel foi o produto retirado pela Nestlé em Portugal
|

A Nestlé decidiu suspender a distribuição em Portugal de uma lasanha à bolonhesa da marca Davigel, depois de ter detetado carne de cavalo na composição do produto, confirmou à RTP o Gabinete de Comunicação da multinacional. Segundo a assessoria de imprensa da operação da empresa em Portugal, a venda daquele produto está limitada ao sector da hotelaria.

Depois de ter anunciado a retirada dos mercados italiano, espanhol e francês de produtos de massa com carne, a multinacional suíça Nestlé confirma que tem agora em marcha um processo semelhante em Portugal. Em causa, no caso português, está uma lasanha à bolonhesa da marca Davigel, cuja distribuição está circunscrita à hotelaria.
Nas últimas semanas foi detetada carne de cavalo em produtos com rótulo de bovino vendidos em vários países-membros da União Europeia, entre os quais Alemanha, França, Reino Unido, Áustria, Noruega, Dinamarca, Holanda, Suécia, Irlanda e Bélgica.
O produto, indicou à RTP o Gabinete de Comunicação da Nestlé Portugal, não é vendido no sector do retalho. Ainda de acordo com a assessoria de imprensa da operação portuguesa da multinacional suíça, a decisão de retirar a lasanha da Davigel do mercado foi tomada após terem sido detetados vestígios de ADN de cavalo superiores a um por cento.

Os produtos retirados em Espanha e Itália são os ravióli e tortellini de carne Buitoni. Foi igualmente retirada lasanha à bolonhesa produzida em França para negócios de catering.

Numa primeira nota hoje conhecida, sem qualquer referência a Portugal, a Nestlé garantia que não se tratava de um problema de segurança alimentar, ressalvando que o erro de rotulagem indiciava que os produtos não reuniam “as exigências de qualidade muito elevadas que os consumidores esperam” da empresa. Num segundo comunicado remetido à RTP, a estrutura portuguesa do grupo sublinha estar a retirar de forma “voluntária” a “lasanha da Nestlé Professional destinada ao canal Horeca (serviços de alimentação)”.
Produto substituído

Em Portugal, lê-se no mesmo texto da Nestlé, a lasanha em causa vai ser substituída “por produto com 100% de carne de vaca”.

“Com esta ocorrência estamos também a reforçar o nossos já exigentes programas de garantia de qualidade, adicionando-lhes testes de despistagem de DNA de cavalo em toda a matéria-prima, antes da sua entrada em produção e em todos os países europeus. Assegurar a qualidade e segurança de nossos produtos foi sempre uma prioridade para a Nestlé”, acrescenta a multinacional.

No passado dia 13 de fevereiro, a RTP enviou para o Ministério da Economia e Emprego duas perguntas dirigidas à ASAE, que passados seis dias ainda não receberam qualquer resposta, apesar das insistências: “1 – Quais foram exactamente as ações de fiscalização ou de análise laboratorial efectuadas pela ASAE no sentido de detetar eventual contaminação de produtos à venda em Portugal com carne de cavalo? No caso de ter havido análises laboratoriais, elas foram feitas a que produtos, a que lotes e em que datas? 2 – A ASAE foi informada recentemente por qualquer empresa a operar em Portugal da retirada de produtos de carne do mercado, o chamado silent recall? Se sim, por que empresas, que produtos, em que datas e quais as razões invocadas?”.

A 8 de fevereiro, o Ministério da Economia, que tutela a a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica, garantiu à Lusa ter efetuado fiscalizações a 53 estabelecimentos, não tendo sido “detetadas irregularidades semelhantes às das notícias em Inglaterra e Irlanda”.

Nesse dia, tinha sido noticiado que as lasanhas de carne e bolonhesas congeladas da Findus continham carne de cavalo. Apesar destas declarações, a ASAE nunca comunicou até hoje publicamente o nome e a localização dos estabelecimentos fiscalizados.

Tópicos:

Carne, Cavalo, Hotelaria, Lasanha, Mercado, Nestlé, Retalho,

A informação mais vista

+ Em Foco

Houve aldeias ceifadas e vidas destruídas. O medo viveu ao lado de histórias de heroísmo. Contamos as estórias que agora preenchem dezenas de aldeias esquecidas, muitas pintadas a cinza.

    O incêndio de Pedrógão Grande provocou a morte de 64 pessoas e deixou mais de 200 pessoas feridas. Revisitamos os últimos dias com fotografias e imagens aéreas captadas com recurso a um drone.

      É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

      Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.