Padre realiza em Fátima "Missa às Escuras" dedicada aos cegos

| País

O padre da paróquia de Fátima, Rui Marto, vai realizar uma "Missa às Escuras" dedicada aos cegos, no dia 27 de abril, disponibilizando vendas "a toda a população que queira participar", disse hoje o sacerdote à agência Lusa.

A cerimónia, organizada pela paróquia e pela ACAPO -- Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal, está agendada para as 21:00 na Igreja Matriz de Fátima, estando prevista a leitura dos textos sagrados em braille.

A iniciativa partiu da paróquia, que "pretende mostrar à comunidade como é viver com uma deficiência visual", pelo que os participantes que conseguem ver "são convidados a vendar os olhos durante a celebração", explicou.

O padre salientou que os vitrais da igreja "vão ser tapados", mas as pessoas não vão ser abandonadas: a eucaristia vai contar com a ajuda de guias, "até para evitar que existam atropelos ou despistes, como por exemplo no momento da comunhão", e obrigará o pároco, de 55 anos, a decorar a homilia.

A celebração vai contar com a animação do grupo de Escuteiros de Fátima, o apoio do Grupo de Jovens da paróquia e a intervenção de associados da ACAPO na leitura da liturgia.

"Os cegos têm muito para dar à sociedade e com esta iniciativa queremos passar a mensagem de que as diferenças têm lugar no espaço comum e que todos podemos enriquecer se as acolhermos", sustentou o sacerdote.

Para Rui Marto, há seis anos na paróquia de Fátima, "esta celebração", inédita naquela local, "serve para sublinhar que todos contam com todos".

"E para enraizar o sentimento de que devemos facilitar a vida dos que nos são próximos", concluiu.

Tópicos:

Cegos,

A informação mais vista

+ Em Foco

Houve aldeias ceifadas e vidas destruídas. O medo viveu ao lado de histórias de heroísmo. Contamos as estórias que agora preenchem dezenas de aldeias esquecidas, muitas pintadas a cinza.

    Jorge Paiva, botânico e professor, um dos maiores peritos da floresta, critica em entrevista à Antena 1 o desinteresse generalizado dos políticos pelos problemas da floresta.

    É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

    Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.