Passagem do ano e primeiro dia de 2014 com chuva

| País

A chuva vai permanecer em Portugal continental até à passagem do ano, havendo apenas uma pausa no domingo, previu hoje o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

No domingo, a chuva, que a partir de sexta-feira se estende gradualmente a todo o território continental, fará um curta pausa, regressando na segunda-feira, de forma contínua, em especial às regiões norte e centro, disse à agência Lusa a meteorologista do IPMA Maria João Frade.

Segundo a meteorologista, novas ondulações frontais, provenientes do Atlântico, farão com que, na terça e na quarta-feira, haja probabilidade de chuva, maior no norte e no centro.

No arquipélago da Madeira, em contrapartida, a possibilidade da ocorrência de precipitação na noite de fim de ano e no primeiro dia de 2014 será "muito baixa", adiantou.

No continente, o sábado vai ser marcado por aguaceiros e pela descida acentuada das temperaturas mínima e máxima, em particular no interior norte e centro, devido à circulação de ar polar.

Nas terras altas do norte e centro, acima dos 800 metros, a chuva cairá sob a forma de neve.

O IPMA prevê para o fim de semana, no Interior norte e centro, mínimas de 0º Celsius ou abaixo de 0ºC, atingindo os -5ºC na Serra da Estrela, e máximas entre 5º e 8ºC, com formação de geada e gelo. O vento soprará, em geral, fraco.

Maria João Frade acrescentou que a agitação marítima manter-se-á forte na costa ocidental do território continental até segunda-feira, com ondas de oeste a noroeste de quatro a seis metros.

Tópicos:

Serra,

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam em Portugal continental cerca de 200 mil hectares.

    Filipe Vasconcelos Romão, comentador de assuntos internacionais, refere que o artigo 155 da Constituição Espanhola será aplicado sem que haja qualquer lei de enquadramento.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Em entrevista à Antena1 e ao Jornal de Negócios, o ministro do Trabalho e da Segurança Social considera que a apresentação da moção de censura não vai trazer mudanças significativas.