Passagem do ano e primeiro dia de 2014 com chuva

| País

A chuva vai permanecer em Portugal continental até à passagem do ano, havendo apenas uma pausa no domingo, previu hoje o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

No domingo, a chuva, que a partir de sexta-feira se estende gradualmente a todo o território continental, fará um curta pausa, regressando na segunda-feira, de forma contínua, em especial às regiões norte e centro, disse à agência Lusa a meteorologista do IPMA Maria João Frade.

Segundo a meteorologista, novas ondulações frontais, provenientes do Atlântico, farão com que, na terça e na quarta-feira, haja probabilidade de chuva, maior no norte e no centro.

No arquipélago da Madeira, em contrapartida, a possibilidade da ocorrência de precipitação na noite de fim de ano e no primeiro dia de 2014 será "muito baixa", adiantou.

No continente, o sábado vai ser marcado por aguaceiros e pela descida acentuada das temperaturas mínima e máxima, em particular no interior norte e centro, devido à circulação de ar polar.

Nas terras altas do norte e centro, acima dos 800 metros, a chuva cairá sob a forma de neve.

O IPMA prevê para o fim de semana, no Interior norte e centro, mínimas de 0º Celsius ou abaixo de 0ºC, atingindo os -5ºC na Serra da Estrela, e máximas entre 5º e 8ºC, com formação de geada e gelo. O vento soprará, em geral, fraco.

Maria João Frade acrescentou que a agitação marítima manter-se-á forte na costa ocidental do território continental até segunda-feira, com ondas de oeste a noroeste de quatro a seis metros.

Tópicos:

Serra,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista à RTP, a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, garantiu que enquanto tiver confiança do primeiro-ministro não vai sair do Executivo.

Jorge Paiva, botânico e professor, um dos maiores peritos da floresta, critica em entrevista à Antena 1 o desinteresse generalizado dos políticos pelos problemas da floresta.

É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.