Portugal adere Organização Internacional de defesa dos Direitos Humanos

| País

Portugal tem desde hoje uma representação permanente da Organização Internacional de Biopolítica (Biopolitics International Organization, BIO), que assume, à escala mundial, a defesa dos direitos humanos, em vários contextos.

Com representações nos cinco continentes, a BIO é uma organização não governamental com sede em Atenas e que existe desde 1985 por iniciativa de uma bióloga defensora dos direitos humanos fundamentais.

A BIO pretende defender os valores da dignidade da pessoa, "mas numa interface saudável com o ambiente que nos rodeia", explicou Rui Nunes, co-fundador da representação portuguesa e responsável pelo serviço de Bioética e Ética Médica da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto.

"Não se trata apenas de defender os direitos das pessoas, mas também de chamar a atenção de que o ambiente que nos rodeia é fundamental para a sobrevivência, a longo prazo, da espécie", frisou o também presidente da Entidade Reguladora da Saúde.

Explicando que à BIO "interessam as políticas e não a política", Rui Nunes admitiu, contudo, que esta organização não governamental aspira a influenciar as decisões dos poderes constituídos.

Além de Rui Nunes, integram a representação portuguesa da BIO figuras como Daniel Serrão, especialista em bioética, e Maria Barroso, na sua qualidade de presidente da Fundação Pró-Dignidade.

Com sede na Faculdade de Medicina do Porto, no Hospital de São João, a representação portuguesa da BIO tentará envolver a sociedade civil num debate sobre questões de ordem ética e jurídica relacionadas com os direitos humanos.

"Numa primeira fase, vamos realizar seminários e congressos, promovendo também publicações sobre a matéria. Pensamos envolver-nos depois em projectos educativos", adiantou Rui Nunes.

A informação mais vista

+ Em Foco

Num contexto de retorno do medo ao Reino Unido, a diplomata britânica Kirsty Hayes aponta a importância de todos os habitantes de Londres estarem unidos.

Foram mais de três horas de debate a cinco mas sem grandes novidades. Le Pen defendeu o fim da imigração. Macron foi atacado pelas ligações à banca.

Estarão os nossos equipamentos comprometidos? O especialista em cibersegurança Pedro Queirós alerta para um problema "assustador".

    Em São Bento, uma fotografia denuncia a localização da Fundação Mário Soares, uma instituição de utilidade pública, cujo futuro está ainda a ser pensado.