Professores voltam a contestar reforma do ensino

| País

Os professores criticaram de novo o estatuto da carreira docente e o processo de avaliações
|

Centenas de professores, que se vestiram de negro como forma de protesto, saíram às ruas de Lisboa para contestar a reforma do ensino promovida pelo Executivo socialista. A manifestação foi convocada por três associações, fora do âmbito sindical. Quiseram chamar a atenção para o que consideram ser uma legislatura de medidas "negativas e prejudicais" para a escola pública.

"Os movimentos independentes de professores estão a ser consequentes com aquilo que defenderam e fizeram ao longo desta legislatura e tinham que dar de facto um sinal à opinião pública de que persiste o descontentamento nas escolas", afirmou Octávio Gonçalves do movimento Promova.

A manifestação foi organizada por três movimentos não sindicais: a Associação de Professores e Educadores em Defesa do Ensino (APEDE); o Movimento Mobilização e Unidade dos Professores (MUP) e o Promova.

"Apesar do arrependimento de última hora - por razões meramente eleitoralistas do primeiro-ministro - as políticas educativas mantêm-se e não há uma admissão, por este Governo, dos erros que foram cometidos nas políticas que pretenderam implementar nas escolas", disse Octávio Gonçalves.

"Não haja ilusões, a maioria dos professores não vai votar no PS de Sócrates", acrescentou Octávio Gonçalves, considerando que a 27 de Setembro (dia das legislativas) será o verdadeiro protesto dos docentes.

Envergando t-shirts pretas com as frases "Adeus Milu, os professores não querem o PS de Sócrates" e "Estou de Luto pela Educação, os docentes deslocaram-se a três locais emblemáticos da capital.

Os professores foram ao Palácio de Belém para mostrar o "claro descontentamento" pela forma como Cavaco Silva interveio no campo da Educação.

Na Avenida 5 de Outubro, local do Ministério da Educação, contestaram a actuação da ministra Maria de Lurdes Rodrigues, dos seus secretários de Estado, assim como do primeiro-ministro José Sócrates.

Na Assembleia da República, realizaram um minuto de silêncio em "repúdio das políticas educativas do Governo de José Sócrates". "Os professores não esquecem" e "não existe perdão para quem destrói a educação", gritaram cerca de 300 professores.

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.