Região de Coimbra aprovou orçamento de 1,5 milhões de euros para 2016

| País

A comunidade intermunicipal da Região de Coimbra (CIM/RC), constituída por 19 municípios, aprovou por unanimidade o Orçamento e Opções do Plano para 2016 no valor de cerca de 1,5 milhões de euros, anunciou hoje aquela entidade.

O documento, aprovado na quinta-feira pelo conselho intermunicipal da CIM/RC, organismo que agrega os 17 concelhos do distrito de Coimbra, um do distrito de Aveiro e um do distrito de Viseu, defende "a necessidade da afirmação de uma identidade regional através do acompanhamento, discussão e intervenção nas matérias com incidência na região de Coimbra e na região Centro".

"Será desenvolvido um conjunto de ações [não nomeadas] destinadas a pensar as políticas e interagir com o território, reforçando o posicionamento da Região de Coimbra no contexto nacional e internacional", sustenta.

Prevê ainda, no âmbito do quadro comunitário Portugal2020, a execução do Pacto e Desenvolvimento e Coesão Territorial e a dinamização de projetos de cooperação inter-regional e internacional, bem como o reforço da competitividade "num território inclusivo e sustentável".

A nota frisa ainda que são objetivos da CIM/RC a redução de custos de contexto, modernização e eficiência administrativa, o desenvolvimento de projetos intermunicipais e a descentralização de competências da administração central e ainda iniciativas dedicadas à promoção do território, captação e apoio ao investimento, "o que implica a promoção do território na ótica industrial, de serviços e do turismo e captação de investimento".

Constituída pelos municípios de Arganil, Cantanhede, Coimbra, Condeixa-a-Nova, Figueira da Foz, Góis, Lousã, Mira, Miranda do Corvo, Montemor-o-Velho, Oliveira do Hospital, Pampilhosa da Serra, Penacova, Penela, Soure, Tábua e Vila Nova de Poiares, do distrito de Coimbra, Mortágua, do distrito de Viseu, e Mealhada, do distrito de Aveiro, a CIM/RC abrange uma população de cerca de 400 mil habitantes.

Tópicos:

Arganil Cantanhede, Aveiro, Corvo Montemor, Viseu,

A informação mais vista

+ Em Foco

O antigo procurador-geral da República do Brasil revelou à RTP que já recebeu várias ameaças de morte e defendeu uma reforma profunda do sistema político brasileiro.

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

    O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.