Regina Guimarães e Fernanda Câncio madrinhas da II Marcha de Lésbicas e Gays

| País

A ensaísta e dramaturga Regina Guimarães e a jornalista Fernanda Câncio vão ser madrinhas da II Marcha LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transsexuais) do Porto, que vai decorrer sábado, anunciou hoje a organização.

Pedro Ferreira, da organização da marcha, disse à agência Lusa que aceitaram também ser madrinhas a realizadora Raquel Freire e as professoras Alexandra Oliveira, da Faculdade de Psicologia do Porto, e Gabriela Moita, da Escola Superior de Educação do Porto.

Os organizadores esperam reunir na marcha cerca de 300 pessoas, o mesmo número registado na primeira marcha, em 2006.

"Queremos igualdade, exigimos oportunidades" é o lema da marcha, que vai decorrer entre as 15:30 e as 18:30, num percurso que começa na Praça da República e segue pelas ruas Gonçalo Cristóvão e Sá da Bandeira, Praça D. João I e Avenida dos Aliados, até à Praça Humberto Delgado, frente à Câmara do Porto.

No final da marcha, será lido um manifesto, este ano igual ao que foi apresentado na marcha de Lisboa, em Junho, com o objectivo de "dar um carácter nacional" à iniciativa.

Pedro Ferreira recordou que a marcha do Porto em 2006 começou simbolicamente no Campo 24 de Agosto, onde morreu o transsexual Gisberta.

Também simbolicamente, o percurso deste ano inclui a Rua Gonçalo Cristóvão, "local de prostituição de transsexuais e homossexuais", afirmou.

"O casamento civil, a adopção, a lei da identidade de género e a doação de sangue por homossexuais" são algumas das reivindicações dos organizadores da iniciativa.

Após a marcha, vai decorrer no Teatro Sá da Bandeira a sétima edição do Porto Pride, "festa para todos os gays, lésbicas, bi, trans e hetero descomplexados".

A festa, organizada pelo site Portugalgay.pt e pelo bar Boys`R`Us, deverá decorrer entre as 22:00 de sábado e as 08:00 de domingo, com a actuação de Tara McDonald e do DJ Nuno Cacho.

A informação mais vista

+ Em Foco

Neste Manual do Brexit, explicamos em 12 pontos o que está em causa e os cenários que se colocam.

    Rosa Luxemburgo, "uma das melhores cabeças do socialismo internacional", foi assassinada há 100 anos.

      Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

        Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.