Sete portugueses mortos trabalhavam para empresa de construção

| País

Os sete portugueses que morreram segunda-feira numa colisão entre dois veículos em Huesca, nordeste de Espanha, já foram identificados e trabalhavam para uma empresa de construção civil espanhola, disse à Lusa fonte do governo espanhol naquela província.

De acordo com a mesma fonte, trata-se da empresa Esmabafone - Serviços de Construção.

Por outro lado, o secretário de Estado das Comunidades, Carlos Gonçalves, disse à agência Lusa que o governo português está a proceder neste momento, em colaboração com as autoridades espanholas, à notificação das famílias das vítimas, que residiam em Espanha.

Só depois de as famílias serem notificadas é que as autoridades portuguesas divulgarão o nome das vítimas mortais e do ferido grave.

Os portugueses, que ao todo eram oito, viajavam numa carrinha de passageiros, de marca e modelo Seat Scudo e matricula HU-73-70, estando o único sobrevivente, ferido gravemente, internado num hospital da região.

Além dos sete portugueses morreu também um homem de nacionalidade espanhola, único ocupante do segundo veículo, um todo-o- terreno Mitsubishi, com a matrícula 7374-BFJ.

O choque entre os dois veículos ocorreu na estrada N-330, que liga Alicante a França, no quilómetro 61, entre as localidades de Sabiñanigo e Jaca.

Os veículos colidiram numa zona recta e na origem do acidente poderá ter estado uma ultrapassagem mal calculada, admitem as autoridades espanholas.

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Em Cuba, os Castro passam o testemunho do poder, que mantiveram durante quase 60 anos.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.