Sete portugueses mortos trabalhavam para empresa de construção

| País

Os sete portugueses que morreram segunda-feira numa colisão entre dois veículos em Huesca, nordeste de Espanha, já foram identificados e trabalhavam para uma empresa de construção civil espanhola, disse à Lusa fonte do governo espanhol naquela província.

De acordo com a mesma fonte, trata-se da empresa Esmabafone - Serviços de Construção.

Por outro lado, o secretário de Estado das Comunidades, Carlos Gonçalves, disse à agência Lusa que o governo português está a proceder neste momento, em colaboração com as autoridades espanholas, à notificação das famílias das vítimas, que residiam em Espanha.

Só depois de as famílias serem notificadas é que as autoridades portuguesas divulgarão o nome das vítimas mortais e do ferido grave.

Os portugueses, que ao todo eram oito, viajavam numa carrinha de passageiros, de marca e modelo Seat Scudo e matricula HU-73-70, estando o único sobrevivente, ferido gravemente, internado num hospital da região.

Além dos sete portugueses morreu também um homem de nacionalidade espanhola, único ocupante do segundo veículo, um todo-o- terreno Mitsubishi, com a matrícula 7374-BFJ.

O choque entre os dois veículos ocorreu na estrada N-330, que liga Alicante a França, no quilómetro 61, entre as localidades de Sabiñanigo e Jaca.

Os veículos colidiram numa zona recta e na origem do acidente poderá ter estado uma ultrapassagem mal calculada, admitem as autoridades espanholas.

A informação mais vista

+ Em Foco

A RTP disponibiliza agora uma nova aplicação: apresenta as notícias do dia em texto, vídeo e áudio, alertas de última hora e as emissões da RTP3 e Antena 1.

É difícil fixar uma ordem de importância, porque o novo Presidente dos EUA tem o condão de transformar qualquer questão menor numa autêntica bomba atómica.

Em dez anos, o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem condenou o Estado 18 vezes em casos de liberdade de expressão.

    Londres é o grande centro financeiro para negócios internacionais e comércio da Europa e um dos principais centros de liderança da economia global. Corre o risco de ser desmantelada.