Sete portugueses mortos trabalhavam para empresa de construção

| País

Os sete portugueses que morreram segunda-feira numa colisão entre dois veículos em Huesca, nordeste de Espanha, já foram identificados e trabalhavam para uma empresa de construção civil espanhola, disse à Lusa fonte do governo espanhol naquela província.

De acordo com a mesma fonte, trata-se da empresa Esmabafone - Serviços de Construção.

Por outro lado, o secretário de Estado das Comunidades, Carlos Gonçalves, disse à agência Lusa que o governo português está a proceder neste momento, em colaboração com as autoridades espanholas, à notificação das famílias das vítimas, que residiam em Espanha.

Só depois de as famílias serem notificadas é que as autoridades portuguesas divulgarão o nome das vítimas mortais e do ferido grave.

Os portugueses, que ao todo eram oito, viajavam numa carrinha de passageiros, de marca e modelo Seat Scudo e matricula HU-73-70, estando o único sobrevivente, ferido gravemente, internado num hospital da região.

Além dos sete portugueses morreu também um homem de nacionalidade espanhola, único ocupante do segundo veículo, um todo-o- terreno Mitsubishi, com a matrícula 7374-BFJ.

O choque entre os dois veículos ocorreu na estrada N-330, que liga Alicante a França, no quilómetro 61, entre as localidades de Sabiñanigo e Jaca.

Os veículos colidiram numa zona recta e na origem do acidente poderá ter estado uma ultrapassagem mal calculada, admitem as autoridades espanholas.

A informação mais vista

+ Em Foco

Os portugueses escolhem os seus representantes locais a 1 de outubro. Acompanhe aqui a campanha, os debates e toda a informação sobre as eleições Autárquicas.

    A Alemanha foi a votos com uma economia próspera. O reverso da medalha é a degradação de condições sociais para uma parte significativa da população.

      Em entrevista exclusiva ao "Olhar o Mundo" aquele que já foi o mais novo primeiro-ministro da União Europeia (2014-2016) aconselha Portugal a apostar nas novas tecnologias e na juventude do país.

      O ímpeto independentista ganhou força, motivado pela crise e pelas divergências em relação ao Estatuto da Autonomia da Catalunha.