Sindicato dos Médicos pede suspensão do atestado eletrónico para carta de condução

| País

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) pediu hoje ao ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, para suspender os atestados médicos eletrónicos para a carta de condução até à reavaliação dos procedimentos.

"É com imensa preocupação que o Sindicato Independente dos Médicos vem acompanhando a implementação da obrigatoriedade da emissão pelos médicos em exercício de funções da sua profissão no Serviço Nacional de Saúde de atestados médicos eletrónicos certificando a aptidão, física e psicológica, para a condução, sendo neste momento já acesa e crescente a contestação no seio da classe médica e nomeadamente dos médicos de família", refere o SIM, em comunicado.

Segundo o sindicato, o novo atestado integra os dados clínicos dos doentes e a sua medicação de forma automática, obrigando os médicos a preencher todos os campos do relatório e as 10 páginas de procedimentos e validações, além de ter que ser o mesmo profissional a validar no fim o que iniciou.

Nesse sentido, o SIM pede ao ministro da Saúde para que determine a suspensão do atestado médico eletrónico para a carta de condução até reavaliação dos procedimentos.

O SIM solicitou também a Adalberto Campos Fernandes para que sejam criados os Centros de Avaliação Médica e Psicológica (CAMP), aos quais caberia a avaliação física, mental e psicológica dos candidatos, e correspondente emissão de atestado de aptidão para a obtenção ou revalidação de título de condução.

O sindicato defende que os CAMP deviam funcionar nos Gabinetes Médicos na dependência direta do Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT) ou por ela avençados, retomando desse modo o sentido e a forma da legislação de 2009.

O SIM lamenta que os CAMP nunca tenham sido regulamentados, nem saído do papel.

 

 

Tópicos:

Médica,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

      Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.