Tribunal decide libertar Duarte Lima da prisão domiciliária

| País


Foi hoje decretada pelo tribunal a libertação de Duarte Lima, que se encontrava em prisão domiciliária. Segundo o advogado do antigo dirigente social-democrata, ouvido pela agência Lusa, na base desta decisão judicial está o entendimento de que o perigo de fuga é agora diminuído.

"Houve reapreciação da medida de coação e considerou-se que o perigo de fuga e outros do género estão diminuídos", disse o advogado Raul Soares da Veiga, que se manifestou de acordo com a decisão judicial conhecida esta quarta-feira. Ainda assim, nas declarações que fez à Lusa, o causídico considerou-a "tardia".
O advogado Raul Soares da Veiga adiantou que Duarte Lima, até hoje em casa com pulseira eletrónica, já foi notificado da decisão.

A 7ª Vara Criminal de Lisboa mantivera em meados de março a prisão domiciliária aplicada a Duarte Lima, um dos seis arguidos em julgamento no processo relacionado com compra de terrenos em Oeiras, por via de um empréstimo do Banco Português de Negócios.

Duarte Lima é acusado de três crimes de burla qualificada, dois crimes de branqueamento de capitais e um crime de abuso de confiança na forma agravada. Esteve em prisão preventiva até maio de 2012, altura em que viu alterada a medida de coação.

Tópicos:

7ª Vara Criminal, Advogado, BPN, Duarte Lima, Lisboa, Prisão domiciliária, Pulseira eletrónica, Raul Soares da Veiga, Tribunal,

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam em Portugal continental cerca de 200 mil hectares.

    Filipe Vasconcelos Romão, comentador de assuntos internacionais, refere que o artigo 155 da Constituição Espanhola será aplicado sem que haja qualquer lei de enquadramento.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Na primeira entrevista pós-autárquicas, à Antena 1, Jerónimo de Sousa não poupou nas palavras. Afirmou que o "Governo ficou mal na fotografia e subestimou a situação" dos fogos.