BE chama ministro da Economia ao Parlamento por causa de Franquelim Alves

| Política
BE chama ministro da Economia ao Parlamento por causa de Franquelim Alves

O Bloco de Esquerda (BE) requereu esta manhã, com caráter de urgência, a presença no Parlamento do ministro da Economia. O partido quer que Álvaro Santos Pereira esclareça a nomeação do novo secretário de Estado do Empreendedorismo, Franquelim Alves.

Em declarações à Antena1, a deputada bloquista Ana Drago considera que é preciso esclarecer a credibilidade de Franquelim Alves para governar e decidir sobre os destinos do país, tendo em conta a sua ligação ao BPN através da SLN.

“Estamos a falar de uma nomeação do governo e de uma escolha política que Álvaro Santos Pereira agora vem assumir. Creio que tem que ser explicada, porque creio que para a maior parte dos portugueses não é aceitável este jogo que se vai fazendo”, defende.

Ouvida pelo jornalista António Jorge, Ana Drago recorda o caso do banco que estava ligado a vários nomes do partido que agora tem a maioria no governo.

“O BPN foi durante muitos anos um banco onde estiveram muitas figuras e ex-governantes da área do PSD, resultou num enorme buraco financeiro que os contribuintes estão a pagar num momento de particular dificuldade, e as pessoas que estiveram ligadas à gestão dessas sociedades vêm agora a ser nomeadas para um governo do PSD”, frisa.

Relacionados:

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam em Portugal continental cerca de 200 mil hectares.

    Filipe Vasconcelos Romão, comentador de assuntos internacionais, refere que o artigo 155 da Constituição Espanhola será aplicado sem que haja qualquer lei de enquadramento.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Em entrevista à Antena1 e ao Jornal de Negócios, o ministro do Trabalho e da Segurança Social considera que a apresentação da moção de censura não vai trazer mudanças significativas.