Governador do BdP diz que o Banif foi vendido com desconto e a culpa é de Bruxelas

| Política
Governador do BdP diz que o Banif foi vendido com desconto e a culpa é de Bruxelas

Foto: Manuel de Almeida - Lusa

O Governador do Banco de Portugal (BdP) confirma que o banco Banif foi mesmo vendido á pressa e com desconto. A ordem partiu de Bruxelas e atira responsabilidades para as regras conservadoras da Direção-Geral da Concorrência Europeia que obrigaram a essa redução de valor.

Carlos Costa, o Governador do Banco de Portugal este esta sexta-feira na Comissão de Orçamento e Finanças, onde admitiu que na resolução do Banif, os ativos que passaram para o veiculo Oitante - que ficou com a parte toxica do Banif - tinham um desconto de 66 por cento sobre o seu valor real.

Já na parte do negócio que foi vendido ao Santander o desconto foi superior e rondou os 75 por cento.

Carlos Costa voltou a dizer que a proposta do Santander era a única que estava em condições de ser aceite, visto que a outra, a do Banco Popular, não era vinculativa.

O Governador do BdP garantiu aos deputados presentes que não partiu da instituição que preside a fuga de informação que esteve na base da notícia da TVI, que provocou uma corrida aos depósitos. Nessa corrida terão sido levantados mais de 900 milhões de euros.

Devido a este assunto ainda por esclarecer, Carlos Costa tem ouvido perguntas em tom crítico vindas de todas os partidos, tendo o deputado comunista Miguel Tiago perguntado diretamente ao Governador, se não está na hora de abandonar o cargo.

A informação mais vista

+ Em Foco

Na semana em que se assinala o início da II Guerra Mundial, a RTP conta histórias de portugueses envolvidos diretamente no conflito.

    Entrevista Olhar o Mundo a um dos autores e investigadores militares mais reconhecidos do mundo anglo-saxónico.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.