Lobo Antunes defende que não havia opressão intelectual na Acção Católica

| Política
Lobo Antunes defende que não havia opressão intelectual na Acção Católica

Foto: Antena1

O professor catedrático jubilado João Lobo Antunes defende que é injusto afirmar-se que havia opressão intelectual.

“Dizer que havia uma opressão intelectual é injusto. Não é verdade”, argumenta Lobo Antunes, em entrevista à jornalista da Antena 1 Maria Flor Pedroso.

O antigo diretor do serviço de Neurocirurgia do Hospital de Santa Maria foi dirigente da Juventude Universitária Católica, um movimento da Acção Católica, nos anos 1960. À época, publicava-se o Jornal Encontro, que continha artigos de bispos e sobre bispos que eram contra a situação do país, como D. Sebastião de Resende e D. António Ferreira Gomes.

“Em parte era uma forma de oposição, coberta pela Concordata. O jornal que nós publicávamos não ia à censura. Há tempos tive a oportunidade de rever o Encontro e é muito interessante quem escrevia lá e o que se dizia lá. As vozes da Igreja de que nós gostávamos eram dos bispos que mais vigorosamente se opunham à situação. Dizer que havia uma opressão intelectual é injusto, não é verdade”, recorda.

Relacionados:

A informação mais vista

+ Em Foco

A 17 de junho, Portugal começou a assistir ao mais mortífero incêndio de sempre. A paisagem de Pedrógão Grande mantém-se em tons de sépia. Um cenário captado pelo fotojornalista Pedro A. Pina.

    Hotéis de luxo e restaurantes de autor crescem ao lado de quem vive sem água ou luz. A Comporta tem um novo proprietário que quer transformar aquela zona num local para estrangeiros ricos.

    O Parque das Nações vai receber as duas semifinais e a final nos dias 8, 10 e 12 de maio do próximo ano. Já o festival português vai decorrer em Guimarães.

    Natalidade, envelhecimento, turismo, agricultura, emigração, pobreza, saúde, desigualdades. A caminho das autárquicas a Antena 1 fixa o país em 20 retratos.