Marcelo quer vencimentos dos gestores cortados na Caixa como nos bancos privados

| Política

Foto: Lusa

O Presidente da República diz que o banco público devia fazer o mesmo que fizeram alguns bancos privados, ou seja, cortar o salário dos administradores.

Foi esta a mensagem de Marcelo Rebelo de Sousa no dia em que os salários dos gestores da Caixa Geral de Depósitos incendiaram a troca de argumentos no parlamento.

"Se há fundos públicos, não é possível nem desejável pagar o que se pagaria se fosse um banco privado sem fundos públicos", disse o chefe de Estado aos jornalistas em Braga.

Os salários dos administradores da Caixa Geral de Depósitos levaram o PSD a dizer que é inaceitável e vergonhoso o nível salarial dos administradores da Caixa e que é uma vergonha quando se fala de um banco que precisa de milhões de euros dos impostos dos portugueses.

Relacionados:

A informação mais vista

+ Em Foco

João Viera Lopes da Confederação de Comercio e Serviços de Portugal (CCP) explica e garante que não há nenhuma medida alternativa equivalente à redução da TSU.

É uma esquerda em cacos aquela que se prepara para escolher um candidato ao Eliseu. Há sete pretendentes à vaga. Valls, Montebourg e Hamon aparecem como favoritos.

    Milhões de pessoas, por todo o mundo. No dia seguinte à tomada de posse multiplicaram-se as manifestações contra Donald Trump. Os protestos aconteceram em pelo menos 60 países.

      O primeiro registo de imagem de uma posse presidencial na América é de março de 1857, quando James Buchanan se tornou o 15.º Presidente.