"O Estado tem que dar o exemplo e acabar com os falsos recibos verdes"

| Política
O Estado tem que dar o exemplo e acabar com os falsos recibos verdes

A ver: "O Estado tem que dar o exemplo e acabar com os falsos recibos verdes"

Os trabalhadores a recibo verde vão fazer descontos sobre o que efetivamente ganharam e não sobre estimativas de rendimentos.
A alteração foi acordada entre governo e a esquerda que aplaude também as novas regras para os apoios à contratação definitiva de jovens e desempregados de longa duração.
No Jornal 2 José Soeiro, do Bloco de Esquerda, lembra que o governo dá neste capitulo um mau sinal no orçamento do estado ao limitar a contratação no setor público. "O Estado tem que dar o exemplo e acabar com os falsos recibos verdes, os falsos outsorcings, e integrar nos quadros quem trabalha preenchendo necessidades permanentes".

Quem só tem rendimentos de trabalho independente vai passar a descontar sobre o que realmente recebe e não segundo a média do que recebeu no ano anterior.

Quando não têm atividade, mas pretendem manter a carreira contributiva, os prestadores de serviços passam a pagar uma taxa mínima de 20 euros por mês e não de 120 como até aqui.

O que continua a preocupar quem passa recibos verdes é o que ainda não se sabe, a começar pela taxa que será aplicada.

O que também não é claro, e ainda está a ser negociado, é se quem desconta como recibo verde tem direito efetivo a prestações sociais.

O Primeiro-ministro garante que o emprego que o governo quer promover é um emprego com direitos.

Jovens à procura de uma primeira colocação e desempregados de longa duração recebem atenção especial.

O Orçamento do Estado muda os apoios à contratação. Dá-se o equivalente a dois salários a quem contrata de forma definitiva, mas acabam as isenções totais no pagamento das contribuições das empresas para a Segurança Social.

Para os desempregados de longa duração há um desconto de 50% nas contribuições durante três anos, para os jovens que acedem pela primeira vez ao mercado de trabalho as condições são as mesmas, mas o período é alargado para cinco anos.

O governo mostra no entanto abertura para discutir praticamente tudo com os parceiros sociais por forma a melhorar a nova legislação que entrará em vigor em janeiro. O que não é negociável... A inversão do princípio do beneficiário. Por outras palavras todos os apoios, ainda que pagos à entidade contratante, são atribuídos ao trabalhador e não às empresas.

O Secretário de Estado do Emprego lembra o que muda com este pormenor: Se o trabalhador mudar de empresa antes do fim do prazo de vigência dos apoios, estes passam a ser pagos a quem o contratar.

Noutra frente o PCP apresentou uma proposta de alteração ao Código do Trabalho . Objetivo: limitar a possibilidade de celebrar contratos de trabalho temporário a empresas que provem necessidades pontuais ou sazonais por um período máximo de seis meses.

Com esta proposta o grupo parlamentar comunista quer também a garantir a proibição de contratos temporários sucessivos.

Alterações à lei que serão agora discutidas na Assembleia da República, visam um combate efetivo à precariedade.

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.