O exemplo e os incentivos do embaixador do Impulso Jovem

| Política
O exemplo e os incentivos do embaixador do Impulso Jovem

Foto: Antena1

Na apresentação do embaixador do Impulso Jovem, Miguel Relvas e Álvaro Santos Pereira recusaram-se a responder a perguntas sobre tudo o que não fosse o programa. Tribunal Constitucional, remodelação e salário mínimo nacional eram temas obrigatórios, mas nada de respostas.

O embaixador escolhido pelo Governo para apadrinhar o programa Impulso Jovem, Miguel Gonçalves, prometeu hoje "arregaçar as mangas" para que o programa de combate ao desemprego possa chegar a milhares de jovens por todo o país.

Apresentando-se como "um rapaz simples", que "acredita em sonhos e super-heróis", Miguel Gonçalves foi abordado pelo ministro-adjunto e dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, para ser, "sem remuneração", a nova cara do programa de estágios lançado em agosto pelo Governo.

O objetivo, segundo explicou Relvas, é conseguir dar "uma lufada de ar fresco" ao Impulso jovem, que no último mês depois de alterações que alargaram nomeadamente a duração do programa (até aos 12 meses) e o âmbito geográfico, conseguiu crescer 60%.

Até 26 de março, o programa tinha recebido 10.190 candidaturas, num valor que compara com as 3.387 candidaturas conseguidas até janeiro, das quais 1.905 relativas a estágios na administração pública.

"Estou convencido que atingiremos números animadores até ao fim de 2013", disse Miguel Relvas em conferência de imprensa, optando por não se comprometer com metas.

Segundo o ministro, a escolha de um embaixador com o perfil de Miguel Gonçalves, que confessou ter conhecido através do youtube, prendeu-se com o facto de o Executivo estar convencido que é necessário continuar a divulgar o programa de combate ao desemprego.

"O discurso de Miguel Gonçalves vai ser mobilizador. Cada jovem com sucesso serve de exemplo para multiplicar. Escolhi a pessoa certa na hora certa para este programa", realçou o ministro na sessão que contou também com a presença do ministro da Economia e do Emprego, Álvaro Santos Pereira.

Confessando "não perceber nada de política" e nunca ter feito um curriculum vitae, Miguel Gonçalves diz que "sabe bem o que fazer para agarrar a maçã com força e dar a volta por cima" e prometeu "arregaçar as mangas" para chegar aos jovens de todo o país que precisam de uma oportunidade para entrar num mercado de trabalho cada vez mais difícil.

"Fazer chegar a todos estes jovens que estudar é bom e que os desempregados não estão todos licenciados", disse.

O argumento da falta de dinheiro para pagar propinas também não convence o fundador da Spark Agency, uma agência de criatividade especializada na criação de soluções de comunicação interna em grandes empresas.

"Eu paguei as minhas propinas a trabalhar. Estudar em Portugal não é como em Stanford, que custa 45 mil euros por ano. A um jovem estudar custa 1.200 ou 1.300 euros por ano, são 100 euros por mês. Amigo, se tu com 20 anos não consegues fazer 100 euros por mês para pagar o que estudas vais ter muitos problemas na vida, muito maiores do que esse", disse.

"Ninguém deve deixar de trabalhar porque não tem dinheiro. É um mito. Até a vender pipocas no centro comercial se arranja dinheiro para pagar 100 euros por mês", concluiu.

A taxa de desemprego, em fevereiro de 2013, estabilizou nos 12% na zona euro e nos 17,5% em Portugal, que continua a apresentar a terceira taxa mais alta, segundo dados hoje divulgados pelo Eurostat.

Já no conjunto dos 27 países da União Europeia (UE), o gabinete oficial de estatísticas da UE regista uma ligeira subida de 0,1 pontos para os 10,9% em fevereiro, por comparação a janeiro.

(Com Lusa)

A informação mais vista

+ Em Foco

Houve aldeias ceifadas e vidas destruídas. O medo viveu ao lado de histórias de heroísmo. Contamos as estórias que agora preenchem dezenas de aldeias esquecidas, muitas pintadas a cinza.

    O incêndio de Pedrógão Grande provocou a morte de 64 pessoas e deixou mais de 200 pessoas feridas. Revisitamos os últimos dias com fotografias e imagens aéreas captadas com recurso a um drone.

      É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

      Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.