Pires de Lima considera que Passos deve demitir responsável por fugas de informação

| Política
Pires de Lima considera que Passos deve demitir responsável por fugas de informação

Foto: Antena1

No Conselho Superior da Antena1 desta manhã, António Pires de Lima afirma que há “deslealdade política” no governo e defende que o primeiro-ministro deve demitir o responsável pelas várias fugas de informação que se têm verificado, até porque a estratégia de comunicação do executivo revela-se “ineficaz e tola” e prejudica a discussão sobre temas importantes para o país.

O dirigente do CDS-PP advoga que “é obrigação” de Passos Coelho identificar o responsável pelas fugas de informação. Quer seja assessor, quer seja secretário de Estado, deve ser demitido das funções que ocupa.

“Eu não creio que uma tão rara, ineficaz e tola forma de comunicar com os portugueses temas tão importantes seja da iniciativa e vontade do senhor primeiro-ministro, mas o que é um facto é que ela acaba por contaminar a discussão de temas muito importantes. Por isso mesmo, é reveladora de uma deslealdade política”, sublinha.

Em declarações ao jornalista Nuno Rodrigues, Pires de Lima recorda vários momentos em que se verificaram fugas de informação: “Foi o que se passou já na discussão do Orçamento do Estado para 2013, onde vimos muitas das questões internas do governo darem à estampa, em algumas fugas de informação seletivas na comunicação social. Foi o anúncio da intenção desta reforma do Estado, que foi pré-anunciado aos portugueses em grande detalhe por um comentador político, o Dr. Marques Mendes”.

“Foram as conclusões do estudo do Fundo Monetário Internacional, que deram à luz através de uma fuga de informação para um jornal específico. Finalmente soube-se outra vez pelo incansável Marques Mendes que o governo iria também consultar a OCDE com o objetivo deste mesmo tema, a reforma do Estado”, lembra Pires de Lima.

A informação mais vista

+ Em Foco

Houve aldeias ceifadas e vidas destruídas. O medo viveu ao lado de histórias de heroísmo. Contamos as estórias que agora preenchem dezenas de aldeias esquecidas, muitas pintadas a cinza.

    O incêndio de Pedrógão Grande provocou a morte de 64 pessoas e deixou mais de 200 pessoas feridas. Revisitamos os últimos dias com fotografias e imagens aéreas captadas com recurso a um drone.

      É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

      Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.