Portas afirma que nacionalização do BES à semelhança do BPN seria um desastre

| Política
Portas afirma que nacionalização do BES à semelhança do BPN seria um desastre

Foto: Mário Cruz/Lusa

O vice-primeiro-ministro não tem dúvidas de que a solução encontrada para o Banco Espírito Santo (BES) é a melhor, protegendo os contribuintes. Paulo Portas diferencia esta medida da situação que ocorreu com o BPN.

Portas considera que uma nacionalização à semelhança do BPN seria uma tragédia: “Sempre serei a favor de uma supervisão exigente. Agora, não façamos confusões. No BPN propuseram uma nacionalização. Foi um desastre para os contribuintes”.

“Na medida de resolução sobre o BES são chamados a responder os acionistas – é certo –, todo o sistema financeiro contribui solidariamente para a sua estabilidade, mas os contribuintes são poupados, como os depositantes, como os trabalhadores”, garante.

O governante recusa ainda a acusação do PS de clandestinidade do Conselho de Ministros. “Estamos no século XXI. Em questões urgentes às vezes é necessário proceder a um e-Conselho de Ministros, mas nada disso tem a ver com clandestinidade. Tem a ver com a utilização de formas eletrónicas”, argumenta.

(com Sandra Henriques)

Relacionados:

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam em Portugal continental cerca de 200 mil hectares.

    Filipe Vasconcelos Romão, comentador de assuntos internacionais, refere que o artigo 155 da Constituição Espanhola será aplicado sem que haja qualquer lei de enquadramento.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Na primeira entrevista pós-autárquicas, à Antena 1, Jerónimo de Sousa não poupou nas palavras. Afirmou que o "Governo ficou mal na fotografia e subestimou a situação" dos fogos.