Portas cede e aceita taxa sobre pensionistas

| Política
Portas cede e aceita taxa sobre pensionistas

Foto: Manuel de Almeida/Lusa

O Conselho de Ministros extraordinário desta tarde durou duas horas e terminou com um comunicado de cinco linhas. A Antena1 apurou que houve consenso entre os partidos da coligação e o CDS-PP aceitou a taxa sobre os pensionistas.

O primeiro-ministro e presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, e o presidente do CDS-PP e ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, chegaram a um entendimento, o qual não tinha sido possível na reunião que – sabe a Antena1 – os tinha juntado na noite passada.

Fonte oficial contactada pela Antena1 revelou que o CDS-PP aceitou que, excecionalmente, pudesse vir a ser considerada a introdução de uma contribuição de sustentabilidade sobre as pensões. Isto significa que o partido recuou na linha vermelha que Portas tinha traçado e que está ultrapassada a divergência profunda no seio da coligação.

No final do Conselho de Ministros extraordinário apenas houve uma nota à comunicação social em que é referido que os membros do governo se reuniram esta tarde para se inteirarem dos trabalhos relativos à sétima avaliação da ‘troika’ e confirmarem as condições necessárias ao seu fecho, de modo a que o ministro Vítor Gaspar delas possa dar nota nas reuniões do Ecofin e do Eurogrupo que se iniciam segunda-feira em Bruxelas.

(com Sandra Henriques)

Relacionados:

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 260 episódios, o projeto chegou às mais diversas áreas: saúde, engenharias, astronomia, tecnologia, química, história, filosofia, desporto ou geografia.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.