PS dá liberdade de voto nas presidenciais

| Política
PS dá liberdade de voto nas presidenciais

Foto: Lusa/Mário Cruz

O Partido Socialista decidiu não apoiar formalmente qualquer candidato às eleições presidenciais de janeiro de 2016.

O secretário-geral do PS, António Costa, defende a liberdade de voto dos socialistas na primeira volta das presidenciais de janeiro de 2016 como um processo que travará "fraturas" no partido sobre o tema.

Para Costa, a ideia, aprovada em reunião da Comissão Política Nacional do partido, é a "forma mais saudável de cada um poder apoiar o candidato da sua preferência sem fraturas no partido" e sem distrair os socialistas "de um momento muito exigente, todo este processo de formação do governo, instalação de nova legislatura, criação de condições de governabilidade".

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.