PSD e CDS-PP à frente do PS nas intenções de voto

| Política

Ainda assim, quando convidados a avaliarem o desempenho do Governo, mais de 60 por cento dos inquiridos dão nota negativa
|

Se as eleições legislativas se realizassem hoje, a coligação PSD/CDS-PP obteria 38 por cento dos votos. Uma sondagem da Universidade Católica para a RTP e a Antena 1 sugere uma vantagem mínima, de apenas um ponto percentual, dos atuais partidos no Governo sobre o PS, indiciando um empate técnico.

Deste barómetro sobressai a queda de oito pontos percentuais do PS de António Costa face a outubro de 2014. Os socialistas obteriam assim nas urnas um score de 37 por cento dos votos.



A coligação Portugal à Frente, de Pedro Passos Coelho e Paulo Portas, sobe seis pontos percentuais, em comparação com a soma das estimativas para PSD e CDS-PP na sondagem de outubro passado. Ou seja, ultrapassa os socialistas, atingindo os 38 por cento.

Trata-se de um cenário de empate técnico, sem que qualquer das forças do chamado arco da governação se mostre capaz de atingir a maioria absoluta.

A sondagem da Católica, realizada nos dias 13, 14, 15 e 16 de junho para a RTP, a Antena 1, Diário de Notícias e Jornal de Notícias, deixa também patente que mais de um quarto dos eleitores – 26 por cento - estão indecisos quanto ao partido em que vão votar. Uma decisão que será determinante para o desfecho das legislativas: o valor é elevado.

A CDU mantém-se nos dez por cento e o Bloco de Esquerda apresenta um crescimento de quatro pontos percentuais, para oito por cento.



O conjunto dos demais partidos recebe três por cento das intenções de voto.



Esta estimativa foi obtida calculando a percentagem de intenções diretas de voto em cada partido em relação ao total dos votos válidos (excluindo abstenção e não respostas) e redistribuindo indecisos com base numa segunda pergunta sobre intenção de voto. São apenas considerados os inquiridos que dizem que vão votar.


Avaliação do Governo
Ainda assim, quando questionados sobre a avaliação do “desempenho do atual Governo”, mais de 60 por cento dos inquiridos atribuem nota negativa - 35 por cento respondem mau e 28 por cento muito mau.

Vinte e nove por cento estimam, por outro lado, que o Governo tem tido um desempenho bom e apenas dois por cento muito bom.
Alternativa na oposição
E se o Governo fosse outro? De acordo com esta sondagem da Católica, a maioria, 55 por cento, diz que outro partido da oposição não faria melhor do que o atual Governo; 28 por cento manifestam a opinião contrária.



Dos que responderam positivamente à pergunta, 48 por cento apontam o PS como melhor alternativa, ao passo que 18 por cento indicam a coligação entre PCP e Partido Ecologista “Os Verdes”, dez por cento o Bloco de Esquerda e quatro por cento outro.
Avaliação das figuras políticas
O Presidente da República, esse, continua com média negativa.

António Costa e Catarina Martins são os únicos líderes partidários com média positiva, apesar de o líder do PS ter sofrido um tombo de dez pontos percentuais, de 62 para 52 por cento. Já Catarina Martins, a porta-voz nacional do BE, subiu de 42 para 51 por cento.



O secretário-geral dos comunistas, Jerónimo de Sousa, cai dos 53 por cento de avaliação positiva para os 47 por cento.

Pedro Passos Coelho sobe. Passa dos 36 para os 42 por cento. O mesmo acontece com Paulo Portas, que cresce um ponto percentual nas avaliações positivas, de 33 para 34 por cento.
Líderes em palavras
Foi também pedido aos inquiridos que descrevessem o primeiro-ministro e o líder do PS numa palavra. Para Pedro Passos Coelho ressaltam os adjetivos “mentiroso” e “incompetente”, mas também “bom”.



A António Costa são atribuídos os adjetivos “bom” e “mentiroso”. Em segunda linha, “mau”, “oportunista” e “honesto”.


Novos partidos
A sondagem da Universidade Católica indica que a maior parte dos inquiridos não consegue indicar prontamente nenhum dos novos partidos. Marinho e Pinto é, no entanto, o mais referido. Segue-se o Livre/Tempo de Avançar.



Mais de metade dos inquiridos asseguram não ser nada provável que votem numa destas novas estruturas partidárias nas próximas eleições legislativas.

Ficha técnica

Esta sondagem foi realizada pelo CESOP–Universidade Católica Portuguesa para a Antena 1, a RTP, o Jornal de Notícias e o Diário de Notícias nos dias 13, 14, 15 e 16 de junho de 2015.

O universo alvo é composto pelos indivíduos com 18 ou mais anos recenseados eleitoralmente e residentes em Portugal Continental.

Foram selecionadas aleatoriamente dezanove freguesias do país, tendo em conta a distribuição da população recenseada eleitoralmente por regiões NUT II e por freguesias com mais e menos de 3200 recenseados. A seleção aleatória das freguesias foi sistematicamente repetida até que os resultados eleitorais das últimas eleições legislativas nesse conjunto de freguesias (ponderado o número de inquéritos a realizar em cada uma) estivessem a menos de 1% dos resultados nacionais dos cinco maiores partidos. Os domicílios em cada freguesia foram selecionados por caminho aleatório e foi inquirido em cada domicílio o próximo aniversariante recenseado eleitoralmente na freguesia.

Foram obtidos 1048 inquéritos válidos, sendo 55% dos inquiridos do sexo feminino, 31% da região Norte, 24% do Centro, 32% de Lisboa, 6% do Alentejo e 7% do Algarve. Todos os resultados obtidos foram depois ponderados de acordo com a distribuição de eleitores residentes no Continente por sexo, escalões etários, região e habitat na base dos dados do recenseamento eleitoral e do Censos 2011. A taxa de resposta foi de 77%*.

A margem de erro máximo associado a uma amostra aleatória de 1048 inquiridos é de 3%, com um nível de confiança de 95%.

Tópicos:

Antena 1, António Costa, BE, Barómetro, CDS-PP, CDU, Catarina Martins, Cavaco Silva, Eleições, Jerónimo de Sousa, Legislativas, PCP, PEV, PS, PSD, Partidos, Paulo Portas, Pedro Passos Coelho, Presidente da República, RTP, Sondagem, Universidade Católica,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em Pedrógão Grande, dois anos depois dos incêndios, quase só os estrangeiros são atraídos para a região.

Uma equipa da RTP acompanhou o curso dos novos seguranças pessoais, "sombras" de quem protegem.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.