Seguro aponta situação intolerável e exige eleições

| Política
Seguro aponta situação intolerável e exige eleições

A ver: Seguro aponta situação intolerável e exige eleições

O líder do PS e da oposição considera "surpreendente" que o primeiro-ministro não se tenha demitido, defendendo que o país chegou a uma situação politicamente "intolerável" e que é preciso "devolver a palavra aos portugueses" através de eleições legislativas.

António José Seguro considera que o Governo "chegou ao fim" e que assumirá as suas próprias responsabilidades para "oferecer soluções" e "mobilizar os portugueses de uma forma realista".

As posições do líder socialista foram comunicadas numa conferência de imprensa na sede do PS, depois de Pedro Passos Coelho ter anunciado ao país que não se demitirá do cargo de primeiro-ministro na sequência da demissão de Paulo Portas do cargo de ministro dos Negócios Estrangeiros.

Seguro defendeu que neste contexto os líderes políticos devem assumir as suas responsabilidades e que "em democracia há sempre soluções".

Aludindo já a um cenário de eleições legislativas, o secretário-geral do PS manifestou o desejo de que haja "um debate informado, esclarecedor" e que todos utilizem "o período que deve anteceder a escolha de um futuro governo para mobilizar os portugueses de uma forma realista".

"É possível equilibrar as contas públicas de outra forma, é possível sairmos desta crise política, mas para isso a primeira condição é termos outro governo", advogou.

A informação mais vista

+ Em Foco

Os portugueses escolhem os seus representantes locais a 1 de outubro. Acompanhe aqui a campanha, os debates e toda a informação sobre as eleições Autárquicas.

    Veja ou reveja aqui os debates na RTP com os candidatos às presidências das câmaras municipais das 18 capitais de distrito de Portugal Continental. A série é transmitida até 14 de setembro.

      Natalidade, envelhecimento, turismo, agricultura, emigração, pobreza, saúde, desigualdades. A Antena 1 fixa o país em duas dezenas de retratos no caminho para as eleições autárquicas.

        A Alemanha aproxima-se da data do escrutínio de 24 de Setembro com uma economia próspera: muita exportação, muita construção, receitas fiscais abundantes, orçamentos públicos excedentários. O reverso da medalha é a degradação de condições sociais para uma parte significativa da população.