Seguro aponta situação intolerável e exige eleições

| Política
Seguro aponta situação intolerável e exige eleições

A ver: Seguro aponta situação intolerável e exige eleições

O líder do PS e da oposição considera "surpreendente" que o primeiro-ministro não se tenha demitido, defendendo que o país chegou a uma situação politicamente "intolerável" e que é preciso "devolver a palavra aos portugueses" através de eleições legislativas.

António José Seguro considera que o Governo "chegou ao fim" e que assumirá as suas próprias responsabilidades para "oferecer soluções" e "mobilizar os portugueses de uma forma realista".

As posições do líder socialista foram comunicadas numa conferência de imprensa na sede do PS, depois de Pedro Passos Coelho ter anunciado ao país que não se demitirá do cargo de primeiro-ministro na sequência da demissão de Paulo Portas do cargo de ministro dos Negócios Estrangeiros.

Seguro defendeu que neste contexto os líderes políticos devem assumir as suas responsabilidades e que "em democracia há sempre soluções".

Aludindo já a um cenário de eleições legislativas, o secretário-geral do PS manifestou o desejo de que haja "um debate informado, esclarecedor" e que todos utilizem "o período que deve anteceder a escolha de um futuro governo para mobilizar os portugueses de uma forma realista".

"É possível equilibrar as contas públicas de outra forma, é possível sairmos desta crise política, mas para isso a primeira condição é termos outro governo", advogou.

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.