Vítor Bento à RTP: a grande novidade é a conversão do PCP e do BE à austeridade

| Política

|

Na Grande Entrevista conduzida por Vítor Gonçalves e emitida na quarta feira pela RTP 1, Vítor Bento escusou-se a emitir um veredicto categórico sobre as opções orçamentais do Executivo do PS.

O presidente da SIBS sublinhou que se trata de um Governo inicialmente considerado “improvável”, com uma duração que se previa curta, e que, nesse sentido, não surpreendem escolhas apontadas a uma mais rápida recuperação do poder de compra e a uma consolidação da base de apoio eleitoral.

Vítor Bento acrescentou que há várias opções políticas possíveis dentro do mesmo quadro de contenção orçamental e admite que a opção do Governo possa ser uma delas. Reconhece também que o Executivo de António Costa, pelo menos formalmente, se mantém fiel aos compromissos internacionais assumidos pelo Estado.


A interrogação que deixa na entrevista é a de saber se, finalmente, as opções tomadas poderão vir a comprometer, na prática, a consecução dos objectivos que continuam a ser proclamados. E, a jusante dessa interrogação, fica ainda uma outra: a de saber se, no caso de ser comprometida a estratégia de contenção do défice, a crise rebentará nas mãos do Governo actual ou nas mãos do próximo.

O banqueiro criticou ainda os hábitos de consumo e poupança, respondendo afirmativamente a uma pergunta sobre o carácter “cultural” da propensão excessiva para o primeiro. Segundo Vítor Bento, houve na história portuguesa recente níveis de poupança superiores, a coexistirem com níveis salariais inferiores; tal como continua a haver hoje países com baixo nível salarial e elevado nível de poupança como a China.

Por outro lado, sustentou que o Governo tem continuado a austeridade por outra forma, sendo a grande novidade política a da conversão de BE e PCP à necessidade de estabilização financeira. Segundo Vítor Bento, ambos os partidos confinaram o seu “radicalismo” à esfera da “retórica”.

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

      Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.